PUBLICIDADE
Mundo

Hino nacional alemão: uma velha polêmica se reaquece

00:05 | 15/05/2019
A afirmação de um governador, de que os alemães-orientais têm bons motivos para se recusar a cantar o hino, reavivou controvérsia sobre texto e melodia. Ela começa em 1790, envolvendo os nazistas, Brecht e até Haydn.Comentários recentes do governador do estado da Turíngia, no Leste alemão, voltaram a abrir uma velha ferida entre as antigas duas Alemanhas. Quase três décadas após a Reunificação, Bodo Ramelow afirmou, no fim de uma entrevista ao jornal Rheinische Post, que muitos naturais da extinta República Democrática Alemã, sob governo comunista, não cantavam o atual hino nacional. "Nós preferiríamos ter um hino nacional realmente comum", declarou o político do partido A Esquerda na entrevista publicada na quinta-feira (09/05). "Mas até agora esse desejo só despertou indignação". No dia seguinte, em sua coletiva de imprensa regular, o porta-voz da Chancelaria Federal, Steffen Seibert, não manifestou indignação, mas sim tranquila indiferença. Segundo ele, a chefe de governo Angela Merkel, que cresceu na Alemanha Oriental, "acha o hino nacional muito bonito, tanto na música como no texto". Os governadores de outros estados da antiga Alemanha comunista rejeitaram a opinião de Ramelow com mais vigor. O conservador da Saxônia Michael Kretschmer, por exemplo, disse gostar muito de cantá-lo. "Eu o associo com a parte grandiosa de nossa história: a revolução pacífica, Helmut Kohl e a unificação alemã", disse. O poema Canção dos Alemães foi escrito por August Heinrich Hoffmann von Fallersleben em 1841, num assomo romântico de fervor nacionalista durante férias de verão na ilha de Helgoland, então em poder britânico. Na época, diferentes povos germânicos lutavam para estabelecer uma identidade nacional comum, em meio a uma Europa esfacelada pela guerra. Um século e duas guerras mundiais mais tarde, as primeiras duas estrofes – com suas referências a "Alemanha acima de tudo" e "mulheres alemãs, lealdade alemã, vinho alemão e canto alemão" – foram deixadas de lado pelo governo da recém-fundada República Federal da Alemanha – embora o então chanceler federal Konrad Adenauer tenha ignorado o desejo dos que prefeririam cancelar o hino todo. Na prática, então, apenas a terceira e última estrofe ainda é usada hoje em dia: sendo a mais digerível nos termos atuais, seu primeiro verso invoca valores de "unidade e justiça e liberdade". A melodia em si, composta no fim da década de 1790 como homenagem ao então imperador pelo austríaco Joseph Haydn, ainda evoca um sabor amargo da era mais sombria da história alemã. Ramelow comentou que, embora ainda cante a terceira estrofe, não consegue apagar a imagem das paradas nazistas de 1933 a 1945. O governador da Turíngia não é o único que escuta reminiscências do passado nazista no hino nacional alemão: seus controversos comentários já foram uma reação a uma polêmica midiática anterior. Em questão estava se um dos líderes mais radicais da populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD) cantara ou não a primeira estrofe tabu num evento do partido. Por outro lado, para os que recordam os tumultos de 1989 e 1990, as observações do governador estadual não soarão tão novas assim. Durante as complexas – e, segundo alguns, precipitadas – negociações para unificar as duas Alemanhas, houve campanhas da parte oriental para que se adotasse a canção Kinderhymne (Hino infantil) em louvor da nova nação. Essa canção de quatro estrofes, escrita em 1950 pelo dramaturgo Bertolt Brecht e o compositor Hanns Eisler como resposta direta ao hino da época nazista, imagina um novo país erguido dentro de uma nova irmandade de nações iguais: Não poupem graça nem labor Paixão nem inteligência Para que uma boa Alemanha floresça Como qualquer outro bom país. Seus versos até fazem referência às fantasias de dominação que pareciam pervadir o antigo poema: Nem acima, nem abaixo Queremos estar de outros povos, Do mar até os Alpes Do Oder ao Reno. E porque aprimoramos este país O amamos e defendemos, E ele nos parece o mais amado, Como outros povos amam o seu. De acordo com uma anedota apócrifa citada no Tagesspiegel de sexta-feira, em 1990 o negociador-chefe da Alemanha Oriental, primeiro-ministro Lothar de Maizière, teria chegado a sacar o violino a fim de tocar o Hino das crianças para seu homólogo ocidental, Wolfgang Schäuble. No entanto foi rechaçado pelo então ministro do Interior da RFA, segundo o qual havia coisas maiores a tratar. A menção de Ramelow à canção de Brecht aparentemente despertou lembranças nostálgicas em políticos alemães que não têm medo de alfinetar a cicatriz da divisão que ainda marca as duas Alemanhas. O ativista antirregime alemão-oriental Friedrich Schorlemmer comentou na emissora pública MDR considerar um "grande erro" a ideia de um novo hino alemão unificado jamais ter sido considerada. Ele também se irritara com as sugestões de alguns políticos – como a social-democrata Manuela Schwesig, governadora do estado de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental – de que há questões mais urgentes a abordar. Pois, para ele, nada é mais importante do que os valores invocados no poema de Brecht. Diante da barragem de indignação dos conservadores da política alemã em resposta a Ramelow, parece improvável que haja um novo hino nacional alemão à vista. Ainda assim, o político veterano alemão-oriental Wolfgang Thierse propôs um meio-termo no portal de notícias T-Online: que poetas contemporâneos contribuam com mais duas estrofes à canção atual. Mas quem vai querer se arriscar? _______________ A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram | Newsletter Autor: Ben Knight (av)

Fonte: DW | dw-world.de

TAGS