PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

FMI reduz previsão de crescimento da economia brasileira para 2019

16:41 | 10/04/2019
Fundo afirma que conter aumento da dívida pública é prioridade e que reforma da Previdência deve ser feita. Prognóstico para economia mundial também é reduzido em meio à guerra comercial entre EUA e China.O Fundo Monetário Internacional (FMI) rebaixou nesta terça-feira (09/04) sua projeção de crescimento da economia do Brasil para 2019 de 2,5% para 2,1%, principalmente por causa do desequilíbrio fiscal. Porém, o FMI melhorou sua previsão para 2020, que passou de 2,2% no relatório de janeiro para 2,5% no relatório atual, o Perspectivas Econômicas Mundiais. "No Brasil, a principal prioridade é conter o aumento da dívida pública, enquanto se assegura que o gasto social necessário permaneça intacto", escreveram os especialistas do Fundo em sua análise. Para o FMI, a polêmica lei do teto de gastos, introduzida no governo do ex-presidente Michel Temer, é um passo na direção correta para o equilíbrio fiscal. O órgão instou o governo brasileiro a promover reformas nos gastos com funcionários públicos e na Previdência e, ao mesmo tempo, "proteger programas sociais vitais para os vulneráveis". A instituição comandada pela economista francesa Christine Lagarde recomendou ainda às autoridades brasileiras que elevem os esforços para melhorar a infraestrutura e a "eficiência da intermediação financeira" para impulsionar as perspectivas de crescimento de médio prazo. Perspectiva global O FMI rebaixou mais uma vez sua previsão de crescimento da economia global, para 3,3% em 2019, ou 0,2 ponto percentual menos que em janeiro e 0,4 menos que em outubro passado, devido às tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China, a uma queda na confiança dos empresários, à piora de condições financeiras e à insegurança política em muitos países. Em janeiro, o FMI já havia rebaixado sua previsão para 2019, também em 0,2 ponto percentual. A previsão para 2020 é de crescimento de 3,6% e permanece inalterada. A previsão mundial é fortemente influenciada pelo desempenho da economia dos Estados Unidos, que deverá crescer 2,3% em 2019, ou 0,2 ponto percentual menos do que o previsto três meses atrás. Já o Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro crescerá 1,3%, frente à alta de 1,8% em 2018, segundo as previsões do FMI, que em janeiro esperava uma alta de 1,6% para 2019. A queda se explica pela situação econômica de dois pesos pesados da região: a Alemanha, cujo crescimento deve desacelerar para 0,8%, e a Itália, para 0,1%, ambos 0,5 ponto percentual menos que na previsão de janeiro. A França (previsão de alta do PIB de 1,3% em 2019, ou 0,2 ponto a menos que em janeiro) se viu afetada pelo movimento dos "coletes amarelos", que perturbaram sua economia no fim de 2018. A economia da China continuará seu ritmo de progressiva moderação com um crescimento de 6,3% em 2019 e de 6,1% em 2020, causados pelo "necessário ajuste" para controlar a dívida e os efeitos das tarifas impostas pelos Estados Unidos. Em 2018, a segunda maior economia do mundo cresceu 6,6%. AS/efe/afp/ots ______________ A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Fonte: DW | dw-world.de

TAGS