PUBLICIDADE
Mundo

Líder do partido de Merkel defende 'UE forte', mas rebate propostas de Macron

18:54 | 09/03/2019
A líder da União Democrata-Cristã (CDU, na sigla em alemão), Annegret Kramp-Karrenbauer, manifestou apoio ao apelo do presidente da França, Emmanuel Macron, pelo fortalecimento da União Europeia. Porém, a correligionária da chanceler Angela Merkel, apontada como possível sucessora dela no poder, sugeriu propostas que podem não ser bem-aceitas por Paris.
Em um artigo publicado no semanário alemão Welt am Sonntag, Kramp-Karrenbauer reponde diretamente ao pedido de Macron para que os eleitores fortaleçam as siglas que defendem a UE e rejeitem partidos populistas nas eleições para o Parlamento Europeu, que ocorrem em maio.
Defendendo o "modo de vida europeu" em contraste com políticas da China, dos EUA e da Rússia, Kramp-Karrenbauer disse que a "Europa precisa ser mais forte".
Ao pontuar uma série de propostas antipopulistas, a política alemã toca, no entanto, em temas sensíveis aos franceses.
Ela defendeu, por exemplo, um assento permanente da UE no Conselho de Segurança da ONU. Dos membros do bloco, apenas a França tem a cadeira que dá poder de veto no órgão. O Reino Unido também faz parte deste grupo, mas com a conclusão do Brexit não será mais membro do bloco europeu.
Kramp-Karrenbauer disse também que o Parlamento Europeu tem de concentrar todos os trabalhos em Bruxelas e não mais ter sessões plenárias em Estrasburgo.
Ela rejeitou ainda a proposta de Macron por um salário mínimo europeu e disse ainda que a Alemanha não vai tomar a responsabilidade dos déficits públicos de outros países do bloco.
No texto, porém, há dois pontos de concordância com entre Kramp-Karrenbauer e Macron. Um deles é o que prevê o fortalecimento dos pactos climáticos, com a consulta de todas as partes da sociedade. E outro é o que explicita a necessidade de um sistema melhor de proteção de fronteiras. Fonte: Associated Press.

Agência Estado