PUBLICIDADE
Notícias

Venezuela em suspense com ajuda humanitária dos EUA

00:00 | 24/02/2019
No pôquer político no país sul-americano, Guaidó exige cooperação de Forças Armadas para garantir entrega, Maduro fala de "cavalo de Troia". Brasil quer participar com 200 toneladas de mantimentos.Transcorre neste sábado (23/02) a data limite anunciada pelo autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, para a entrada no país da ajuda humanitária internacional. Os alimentos e medicamentos deverão chegar através de três postos fronteiriços com a cidade colombiana de Cúcuta, segundo anunciou quinta-feira a deputada venezuelana exilada Gaby Arellano. A capital do departamento Norte de Santander e a cidade de San Cristóbal, no estado de Táchira, partilham a travessia fronteiriça das pontes internacionais de Simón Bolívar, Francisco de Paula Santander e Tienditas. Uma parte da assistência humanitária que os Estados Unidos querem fazer chegar aos venezuelanos encontra-se armazenada em Cúcuta, na fronteira da Colômbia com a Venezuela. Juan Guaidó, opositor de Maduro e reconhecido por mais de 50 países como presidente interino do país, prometeu introduzir essa ajuda humanitária na Venezuela numa operação para que estão mobilizados milhares de cidadãos. A ajuda humanitária parece garantida, mas a incógnita é como fazê-la entrar na Venezuela, depois de o governo de Nicolás Maduro ter fechado as fronteiras à entrada de medicamentos e alimentos oriundos dos EUA. O Brasil também aguarda a oportunidade para prestar assistência à população. Segundo o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, há cerca de 200 toneladas de alimentos, como arroz, feijão, açúcar, café, sal e leite em pó, além de kits de primeiros-socorros “à espera do transporte”. "A operação brasileira tem caráter exclusivamente de ajuda humanitária, não havendo qualquer interesse de nosso país em quaisquer outras frentes neste momento", assegurou Barros na sexta-feira. Guaidó dera indicações às Forças Armadas para que deixassem entrar as doações internacionais neste sábado, dizendo que tinham três dias para "seguir as ordens do presidente encarregado da República". O político oposicionista afirmou que os alimentos e medicamentos chegarão "por ar, por mar e por terra", sem especificar os pontos da entrada. Temem-se choques militares na fronteira. Segundo Nicolás Maduro, essa ajuda seria um "cavalo de Troia", visando abrir caminho a uma intervenção militar americana. Essa leitura política conta com a concordância diplomática do governo russo. Na quarta-feira, as autoridades russas confirmaram o envio de um carregamento de medicamentos e de equipamento médico. Deste, 7,5 toneladas de medicamentos e material médico já teriam chegado à nação sul-americana, anunciou o presidente em exercício na noite seguinte. Em reação aos confrontos desta sexta-feira na fronteira da Venezuela com o Brasil, com dois mortos, o governo de Donald Trump advertiu na sexta-feira que Maduro, "e aqueles que seguem suas ordens" não ficarão "impunes". "Os Estados Unidos condenam veementemente o uso da força pelos militares venezuelanos contra civis desarmados e voluntários inocentes", anunciou a Casa Branca em comunicado. AV/lusa,efe,abr,rtr ______________ A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Fonte: DW | dw-world.de

TAGS