PUBLICIDADE
Notícias

Cresce tensão na fronteira Venezuela-Colômbia

00:00 | 24/02/2019
No impasse sobre fornecimento de ajuda humanitária dos EUA à Venezuela, Guarda Nacional Bolivariana investe contra manifestantes com gás lacrimogêneo. Militares venezuelanos desertam em meio a conflito.Militares da Guarda Nacional da Venezuela dispersaram neste sábado (23/02), empregando gás lacrimogêneo e balas de borracha, dezenas de manifestantes que exigiam cruzar para a Colômbia por uma ponte fronteiriça em Ureña (oeste do estado de Táchira). Segundo a agência de notícias France-Presse (AFP), a multidão gritava "Queremos trabalhar!" diante de um piquete de soldados armados com equipamento antimotim que bloqueava a ponte Francisco de Paula Santander. Na noite anterior, o governo de Nicolás Maduro anunciara o "fechamento total" das quatro pontes que comunicam Táchira, na Venezuela, com o departamento colombiano de Norte de Santander. Na capital dessa região, Cúcuta, se encontra o centro de armazenamento dos bens de ajuda humanitária enviados pelos Estados Unidos destinados à população venezuelana, a pedido do autoproclamado presidente interino, Juan Guaidó, o qual estipulou a entrega para este sábado, a partir das 9h00 (hora local, 11h00 em Brasília). Pelo menos quatro membros da Guarda Nacional Bolivariana desertaram neste sábado na Ponte Internacional Simón Bolívar, na fronteira entre a Venezuela e a Colômbia, solicitando a proteção das autoridades do país em Cúcuta. Segundo a Migração Colômbia, sua intenção é escapar da "ditadura de Nicolás Maduro". Numa publicação divulgada na véspera na rede social Twitter, a vice-presidente venezuelana, Delcy Rodríguez, justificou a medida pelo que definiu como "ameaças" do governo da Colômbia. Ela é uma das mais de 50 nações que reconhecem a autoproclamação do oposicionista Guaidó. Antes, Nicolás Maduro mandara cerrar a fronteira com o Brasil, em seguida aos confrontos entre as Forças e uma comunidade indígena que deixaram pelo menos dois mortos. A entrada de ajuda humanitária, especialmente os bens fornecidos pelos EUA, no território venezuelano tem sido um dos temas centrais da queda de braço dos últimos dias entre o líder oposicionista Juan Guaidó e o presidente em exercício, Nicolás Maduro. Ajuda brasileira O Brasil igualmente se oferece para contribuir com 200 toneladas de mantimentos, numa operação com "caráter exclusivamente de ajuda humanitária", segundo porta-voz da presidência. Neste sábado, uma caminhonete com sete toneladas de ajuda se dirigiu até a cidade fronteiriça de Pacaraima. Mais cedo, Guaidó chegou afirmar que o veículo havia conseguido atravessar a fronteira sem incidentes, mas relatos de jornalistas que estão no local apontam que a caminhonete atravessou a linha de demarcação, mas ainda não superou o bloqueio militar mais à frente. Na sexta-feira, relatos locais apontaram que dois índios venezuelanos morreram após tentarem impedir a passagem de um comboio militar das tropas chavistas que se dirigiam a fronteira para reforçar o bloqueio na fronteira. O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, que está em Pacaraima, afirmou que a expectativa era que as forças de segurança da Venezuela permitam a entrada dos primeiros caminhões com a ajuda humanitária a partir do lado brasileiro. O chanceler brasileiro ainda afirmou que a ajuda humanitária é exclusivamente humanitária e que não se trabalha com a perspectiva de que haja qualquer conflito na fronteira. "Não há menor expectativa de conflito, claro que o Exército está preparado (para agir) caso isso possa se materializar”, ressalvou o ministro das Relações Exteriores. O governo em Caracas insiste em negar a existência de uma crise humanitária nacional. A afirmação contradiz os dados mais recentes das Nações Unidas situando em 3,4 milhões o atual número de refugiados e migrantes da Venezuela em todo o mundo. Maduro encara a entrada dessa ajuda humanitária como um "cavalo de Troia", supostamente dando início a uma intervenção militar dos americanos, além de ter justificado a carestia nacional com as sanções impostas por Washington. Na véspera, o Brasil reafirmou que vai manter a operação de entrega de ajuda humanitária à Venezuela através da fronteira brasileira neste sábado e nos próximos dias, mesmo com o bloqueio anunciado por Maduro. O chanceler brasileiro ainda afirmou que a ajuda humanitária é exclusivamente humanitária e que não se trabalha com a perspectiva de que haja qualquer conflito na fronteira. "Não há menor expectativa de conflito, claro que o Exército está preparado (para agir) caso isso possa se materializar”, ressalvou o ministro das Relações Exteriores. AV/JPS/efe/rt/afp/ab ______________ A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Fonte: DW | dw-world.de

TAGS