PUBLICIDADE
Notícias

Trump chama de "traiçoeiras" discussões sobre sua possível destituição

14:49 | 18/02/2019

Donald Trump afirmou, nesta segunda-feira, que as discussões sobre a possibilidade de invocar a Constituição para afastá-lo da presidência dos Estados Unidos fazem parte de um movimento "traiçoeiro e ilegal" contra ele.

O procurador-geral adjunto dos Estados Unidos Rod Rosenstein teria discutido quantos membros do gabinete apoiariam a destituição de Donald Trump do cargo de presidente dos Estados Unidos em 2017, segundo admitiu o ex-diretor interino do FBI Andrew McCabe em entrevista transmitida no domingo.

McCabe sustentou que a possibilidade de invocar a 25ª Emenda à Constituição dos Estados Unidos foi apresentada por Rod Rosenstein, depois que Trump demitiu o diretor do FBI James Comey, em 9 de maio de 2017.

McCabe e Rosenstein "parecem que estavam planejando um ato muito ilegal e foram descobertos", reagiu Trump no Twitter.

"Esta foi a ilegal e traiçoeira 'apólice de seguro' em plena ação", continuou ele.

Trump tem atacado constantemente as investigações federais sobre os supostos vínculos de sua campanha presidencial com a Rússia, rotulando-as de uma "caça às bruxas" que busca sabotar sua presidência.

A "apólice de seguro" sobre a qual escreveu se refere a uma mensagem de texto ambígua enviada à sua amante por um importante investigador do FBI em agosto de 2016 e que alude às suas preocupações sobre a candidatura de Trump. Um texto que segundo o presidente indica a conspiração contra ele.

"Eu quero acreditar no caminho que estabeleceu no escritório de Andy - de que não há como ele ser eleito -, mas temo que não possamos correr esse risco", escreveu o investigador Peter Strzok. "É como uma apólice de seguro no caso improvável de que morra antes dos 40 anos".

Trump repente demitiu Comey em meio a tensões pela investigação do FBI sobre as possíveis ligações entre a campanha do presidente republicano em 2016 e o governo russo.

jm/jh/lda/mr

AFP