PUBLICIDADE
Notícias

Relatório pode causar aumento das tarifas de carros importados nos EUA

11:07 | 18/02/2019

O departamento do Comércio dos Estados Unidos anunciou ter entregado à Casa Branca um relatório sobre a indústria automotiva, que pode provocar um aumento das tarifas sobre os veículos importados e intensificar a tensão com a Europa.

"O secretário do Comércio, Wilbur Ross, entregou oficialmente ao presidente Donald Trump os resultados da investigação do Departamento do Comércio no que diz respeito aos efeitos das importações de automóveis e autopeças sobre a segurança nacional dos Estados Unidos", anunciou o Departamento, sem revelar detalhes.

O presidente Trump tem agora 90 dias para tomar a decisão de impor ou não taxas adicionais às importações de automóveis e equipamentos, uma ameaça para a indústria na Europa, principalmente a Alemanha.

A Casa Branca anunciou no ano passado a intenção de adotar tarifas adicionais de até 25% às importações de veículos, para defender o setor.

Trump encomendou ao Departamento do Comércio uma investigação para estabelecer a pertinência de aplicar as taxas com base no artigo 232 da legislação comercial americana, que se apoia em argumentos vinculados à defesa nacional para limitar a importação de produtos e bens.

De acordo com fontes consultadas pela AFP, as conclusões do relatório seriam "positivas" sobre se consideravam uma ameaça à segurança nacional a importação de veículos.

Em março de 2018, Trump citou supostas ameaças à segurança nacional para impor tarifas adicionais às importações de aço e de alumínio nos Estados Unidos, ignorando as repetidas advertências de seus aliados sobre os riscos de uma guerra comercial de consequências imprevisíveis.

Se o presidente americano decidir elevar as tarifas, as montadoras alemãs (Mercedes-Benz, Volkswagen e BMW) seriam as mais afetadas.

Em 2017, pouco mais da metade dos 17 milhões de veículos vendidos nos Estados Unidos eram importados.

Os carros importados do Canadá e México - que acabam de fechar um novo acordo de livre comércio com os Estados Unidos (T-MEC) - devem ficar isentos do aumento de tarifas.

A União Europeia (UE), por sua vez, prometeu nesta segunda-feira que responderá rapidamente se o governo dos Estados Unidos optar por elevar as tarifas de importação aos automóveis europeus.

"Se este relatório resultar em ações em detrimento das exportações europeias, a Comissão Europeia reagirá de maneira rápida e adequada", afirmou o porta-voz comunitário Margaritis Schinas.

A Comissão espera, no entanto, um resultado "positivo" das conversações entre UE e Estados Unidos iniciadas com a trégua comercial estabelecida em julho entre Trump e o presidente da Comissão, Jean-Claude Juncker.

vmt/jul/arc/fp

AFP