PUBLICIDADE
Notícias

Alemanha considera difícil repatriar combatentes europeus do EI

07:44 | 18/02/2019

O ministro alemão das Relações Exteriores considera que seria "extremamente difícil" organizar uma repatriação de cidadãos europeus retidos na Síria depois de integrar o grupo Estado Islâmico (EI), como deseja o presidente americano Donald Trump.

Um retorno seria possível apenas se "pudermos garantir que estas pessoas possam ser imediatamente enviadas a um tribunal e colocadas em detenção", afirmou Heiko Maas ao canal ARD.

Para isto, "precisamos de informações judiciais e ainda não é o caso", completou, antes de destacar que nestas condições uma repatriação é "extremamente difícil".

O tema deve ser abordado nesta segunda-feira pelos ministros europeus das Relações Exteriores, que devem abordar durante uma reunião a situação na Síria.

O presidente americano Donald Trump pediu no domingo aos países europeus que repatriem as centenas de cidadãos retidos na Síria por integrarem o EI.

A aliança curdo-árabe das Forças Democráticas Sírias (FDS) está perto de derrotar em definitivo o grupo extremista em seu último reduto no leste da Síria.

Mas o futuro dos estrangeiros detidos pelas forças curdas ainda não foi decidido. São franceses, alemães, irlandeses, italianos, ingleses e canadenses. Os homens estão em prisões e as mulheres e crianças em campos de desabrigados.

ilp/phv/es/zm/fp

AFP