PUBLICIDADE
Notícias

Manuscrito de Einstein com 'teoria da felicidade' é leiloado por US$ 1,56 milhão

Einstein escreve que "uma vida simples e tranquila traz mais alegria do que a busca do sucesso em um desassossego constante"

15:45 | 24/10/2017
NULL
NULL

 [FOTO1]

Uma nota manuscrita na qual Albert Einstein explica como alcançar uma vida feliz foi vendida nesta terça-feira (24) em Jerusalém por 1,56 milhão de dólares, informou a casa de leilões Winner.
O preço é cerca de 200 vezes maior que as estimativas prévias, que indicavam que a nota deveria alcançar um valor de entre cinco e oito mil dólares, indicou a casa de leilões em seu site.
O manuscrito, que Einstein entregou em 1922 a um mensageiro em Tóquio como gorjeta, foi adquirido por um europeu que fez lances por telefone e que deseja permanecer anônimo, acrescentou a casa de leilões.
O ano era 1922 e o físico nascido na Alemanha, famoso por sua teoria da relatividade, estava no Japão para conferências.
Acabara de ser informado que receberia o prêmio Nobel de Física e sua fama já se espalhava para além dos círculos científicos.
Um mensageiro japonês foi ao Imperial Hotel de Tóquio para entregar a Einstein uma mensagem.
Não se sabe se o mensageiro não aceitou gorjeta, seguindo as tradições locais, ou se Einstein não tinha trocados para lhe pagar. Em todo caso, o cientista não quis que o homem saísse de mãos vazias e escreveu uma nota em alemão.
"Talvez, se tiver sorte, essa nota acabará sendo muito mais valiosa do que uma simples gorjeta", disse Einstein ao mensageiro, de acordo com o proprietário e vendedor do documento, um morador de Hamburgo (Alemanha) que é parente do mensageiro e que deseja permanecer anônimo.
Na nota, leiloada por 1,56 milhão de dólares e escrita em um papel timbrado do Imperial Hotel Tokyo, Einstein afirma que "uma vida simples e tranquila traz mais alegria do que a busca do sucesso em um desassossego constante".
Uma outra nota, que foi vendida por 240.000 dólares, foi escrita em uma folha de papel e diz simplesmente: "Onde há um desejo, há um caminho".

AFP




AFP

TAGS