PUBLICIDADE
Notícias

Temer ganha tempo na crise que abala o Brasil

06:03 | 22/05/2017
NULL
NULL

[FOTO1] Cada minuto conquistado é vital na crise política que abala o Brasil e o presidente Michel Temer ganhou no domingo um momento de alívio quando o principal partido aliado de seu governo suspendeu a reunião que decidiria sobre o apoio ante as investigações por corrupção.


O PSDB havia convocado uma reunião de emergência para a tarde de domingo, mas o encontro foi cancelado, sem explicações. Em Brasília, fontes políticas deram a entender que o partido atendeu a um pedido do Palácio do Planalto por "mais tempo".


Com o olhar voltado para as eleições de 2018, alguns líderes tucanos pedem a saída do partido do governo, como solicitou na manhã de domingo o diretório do Rio de Janeiro. O cancelamento da reunião reduziu a pressão sobre Temer, que luta pela sobrevivência política desde quarta-feira, quando o jornal O Globo revelou uma gravação de áudio na qual o presidente supostamente aprova a compra do silêncio de um ex-deputado preso.


O áudio, incluído nas delações premiadas dos executivos da maior empresa do setor de carne do mundo, a JBS, provocou a abertura de uma investigação pelo Supremo Tribunal Federal (STF).


O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, acusa Temer de "obstrução à justiça" para impedir o avanço da Operação Lava Jato.


Encurralado, Temer contra-atacou no sábado. Em um pronunciamento, ele afirmou que a gravação foi "manipulada e adulterada" e pediu ao STF que suspenda a investigação até que uma perícia verifique sua autenticidade.
O tribunal avaliará o pedido na próxima quarta-feira, mas o procurador-geral já solicitou o prosseguimento do inquérito.


Ao mesmo tempo, os pedidos de renúncia ou de impeachment não param de aumentar.


No sábado à noite, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) aprovou a apresentação de um pedido de "impeachment" ao Congresso, o que se suma a oito pedidos prévios.


Com quatro ministros no governo, 47 deputados e 10 senadores, o PSDB representa um apoio vital para definir uma eventual destituição de Temer, apenas um ano depois do afastamento de sua antecessora, Dilma Rousseff.
Outra boa notícia do domingo para o presidente foi o reduzido número de participantes nas manifestações convocadas contra o governo, que exigiam a renúncia de Temer e a convocação de eleições diretas.

 

AFP

TAGS