PUBLICIDADE
Notícias

Menino norte-americano morre nos braços de Papai Noel em hospital

O Papai Noel chamado Eric Schmitt-Matzen contou em vídeo o episódio que aconteceu entre ele e um menino de 5 anos

11:15 | 13/12/2016
NULL
NULL

[FOTO1]Quando o telefone de Eric Schmitt-Matzen tocou, ele certamente não esperava o que aconteceria naquele dia. Em entrevista ao jornal Knoxville News-Sentinel, Eric relatou o dia em que um menino, vítima de câncer terminal, morreu em seus braços após realizar seu último pedido: conhecer o Papai Noel.

Eric, de 80 anos, recebeu um telefonema de uma amiga que é enfermeira, pedindo que ele fosse ao hospital para conhecer a criança. O homem, que é engenheiro, já fez curso profissional de Papai Noel, e guarda traje para se apresentar em hospitais, shoppings e eventos natalinos. Ele disse à amiga que iria em casa se vestir e então partiria ao encontro do menino, entretanto, ela afirmou que não havia tempo, e sua longa barba branca já daria conta de encantar a criança.

Quinze minutos após a ligação, ele chegou ao hospital e encontrou os pais do menino, que haviam comprado e embrulhado um brinquedo que seria dado ao filho. Eric pediu que todos ficassem do lado de fora e entrou sozinho na UTI para encontrar o pequeno. "Quando cheguei perto dele, estava tão fraco que parecia que iria adormecer a qualquer momento. Disse a ele: 'Ei, que história é essa que ouvi sobre você sentir saudade do Natal: Não tem como você sentir falta do Natal? Sabe por quê? Porque você é meu duende número 1'. Ele olhou pra mim e disse: 'Sou?'. Eu respondi: 'Claro!'. Então dei a ele o presente, que ele quase não conseguiu desembrulhar, de tão fraco que estava", contou Eric ao jornal "Knoxville News Sentinel".

O menino contou que já sabia que iria morrer e Eric declarou: "Quando você chegar lá, diga a eles que você é o duende número 1 do Papai Noel, e eu saberei que eles deixarão você entrar". Em seguida, o pequeno abraçou Eric, perguntando se ele poderia lhe ajudar, mas não houve tempo para resposta. O pequeno faleceu em seus braços.  "Todos notaram o que havia ocorrido. A mãe, desesperada, gritava: 'Não, não, não agora!'. Deixei ele deitado e saí da UTI o mais rápido que pude. Fui para casa chorando o caminho todo, mal conseguia dirigir. Passei quatro anos no Exército, vi muita coisa...sei que médicos e enfermeiras estão acostumados com esse tipo de situação diariamente, mas eu não sei como eles enfrentam".

Após o acontecido, Eric chegou a cogitar parar de trabalhar no Natal, entretanto, voltou atrás na decisão no primeiro show após a morte da criança.  "Ver aquelas crianças rindo me fez refletir que devo continuar atuando. Por elas e por mim", declarou.

[VIDEO1] 

 

Redação O POVO Online

TAGS