PUBLICIDADE
Notícias

Maradona, Ronaldinho e Totti jogam pela paz em Roma a pedido do Papa

17:53 | 12/10/2016
NULL
NULL

[FOTO1] 

Diego Maradona, Ronaldinho Gaúcho, Francesco Totti e muitos outros astros do futebol do presente e do passado jogaram nesta quarta-feira, 12, em Roma, uma "Partida pela Paz", atendendo a um apelo do papa Francisco, que promoveu a primeira edição deste jogo em 2014.

"Estamos aqui para jogar pela paz, pela paz em todo o mundo", declarou Maradona antes do apito inicial deste amistoso, do qual também participaram Hernán Crespo, Juan Sebastian Veron, Cafu, Rui Costa, Frédéric Kanouté e Vincent Candela, que foram recebidos pelo pontífice no Vaticano.

Aos 56 anos, Maradona armou o primeiro gol da partida, marcado por Antonio Di Natale, com um lindo passe de pé esquerdo. A "Partida pela Paz" foi criada por iniciativa do papa Francisco e a renda obtida é destinada à rede internacional de escolas Scholas Occurrentes.

Este ano, parte da renda também servirá para ajudar as vítimas dos terremotos no centro da Itália, especialmente o que afetou a cidade de Amatrice em agosto.

"O que importa é a palavra beneficência. Jogamos pela paz, pela paz no mundo em geral, pelas crianças. E não se pode ver todos os dias Totti, Maradona e Ronaldinho no gramado", destacou o ex-jogador francês Candela, após a partida.

"O que conta é o que diz o nome da partida. Se podemos ajudar um pouco, é importante. E com estes grandes jogadores, que são os melhores do mundo, pode-se tornar algo mais importante", completou o argentino Diego Perotti, que joga atualmente na Roma e cujo pai jogou com Maradona no Boca Juniors no começo dos anos 1980.

A rede "Scholas Occurrentes" foi lançada por jovens em Buenos Aires (com o nome de "Escolas Irmãs"), com o apoio ativo de Jorge Bergoglio, então arcebispo da cidade, antes de se tornar papa.

Atualmente, reúne 400.000 escolas públicas e privadas dos cinco continentes e milhares de estudantes de "todas as religiões, com a finalidade de educar os jovens no compromisso do bem comum", segundo a entidade.

 

AFP

TAGS