PUBLICIDADE
Notícias

Correção: Seleção masculina de handebol enfrentará França nas quartas do Rio-2016

00:20 | 16/08/2016

A nota enviada anteriormente contém um erro. O próximo adversário do Brasil será a França, e não a Croácia, como publicado. Segue a versão corrigida:

Depois de fechar a primeira fase na terceira colocação do Grupo B, a seleção brasileira de handebol masculina conheceu na noite desta segunda-feira o seu adversário nas quartas de final dos Jogos Olímpicos do Rio.

Na próxima fase, o time brasileiro vai encarar a França, que ficou com a segunda colocação do Grupo A. O duelo está marcado para esta quarta, às 13h30, na Arena Futuro, na Barra da Tijuca. A seleção da França é o melhor time da atualidade, bicampeão olímpico e campeão de três das últimas quatro edições do Mundial.

O Brasil fechou a primeira fase com uma derrota diante da Suécia por 30 a 19, nesta segunda-feira. Mas já havia garantido antecipadamente a vaga por conta das duas vitórias e um empate conquistados anteriormente. A liderança da chave ficou com a Alemanha e a Eslovênia terminou na segunda colocação. A Polônia ficou em quarto.

O técnico espanhol Jordi Ribera comemorou bastante a primeira classificação na história do handebol masculino, mas adotou um discurso de cautela. "Estou feliz com a performance da equipe no campeonato. Antes acreditávamos que os jogos contra a Suécia e contra o Egito seriam os fundamentais para podermos passar de fase, mas chegamos a essa partida hoje (segunda-feira) já classificados, após dois excepcionais jogos com Polônia e Alemanha. Temos que colocar a cabeça no lugar se quisermos avançar ainda mais", comentou o treinador espanhol.

O jovem armador esquerdo Leonardo Santos comentou a dificuldade que será o duelo nas quartas de final. "Temos que dar 200% em quadra porque 100% não está sendo suficiente. Vem um jogo muito duro pela frente, é mata-mata. Nunca queremos perder. Temos que pensar em ter uma medalha e chegar o mais alto possível. Precisamos nos concentrar para fazer um duelo muito forte nas quartas", opinou.

TAGS