PUBLICIDADE
Notícias

Atleta que protestou no fim da maratona não voltará à Etiópia

Feyisa Lilesa não retornará à Etiópia mesmo após a garantia de que não seria punido por seu protesto contra a repressão política em seu país

08:50 | 24/08/2016

"Eu não acredito que haja qualquer forma de ele voltar (para a Etiópia). Existem muitas pessoas que disseram que seria melhor para ele não voltar", falou à AFP seu agente Federico Rosa.
Na chegada da delegação etíope à capital, Addis Abeba, um jornalista da AFP presente no aeroporto constatou que Lilesa não se encontrava no avião.
Rosa, que está na Itália e já é agente de Lilesa há três anos, disse que não sabe exatamente o que seu cliente está pretendendo fazer, após ter ficado no Rio até o fim dos Jogos.
"Eu não posso dizer com certeza porque não falei direito com ele depois da corrida, quando nós trocamos algumas palavras", disse Rosa.
Relatos sugeriam que o corredor poderia buscar asilo político nos Estados Unidos.
No domingo, Lilesa, que chegou em segundo lugar da maratona, atrás do queniano Kipchoge, cruzou seus braços enquanto terminava a maratona, fazendo um gesto simbólico em protesto à repressão política do regime etíope.
O medalhista de 26 anos repetiu o gesto durante a cerimônia de premiação, dizendo que estava com medo de voltar para casa.
O porta-voz do governo da Etiópia disse na segunda-feira (22) que Lilesa não encontraria nenhum problema caso voltasse para casa, contrariando o que o atleta falou no Rio sobre ser morto ou colocado na prisão.
Rosa disse que o atleta não tinha dado qualquer indicação antes da corrida de que planejava fazer esse gesto.
E desmentiu qualquer sugestão de que seu cliente queria cortar laços com a Etiópia para garantir um contrato lucrativo para correr defender um país árabe em troca de dinheiro.
"Eu perguntei sobre isso e é apenas especulação", disse o agente.
"Isso foi um ato muito honrado, ele não está à procura de dinheiro ou qualquer coisa assim".

[VIDEO1] 

AFP
TAGS