PUBLICIDADE
Notícias

Para avançar, Alemanha precisa quebrar tabu histórico contra a Itália

10:47 | 02/07/2016
Em 93 anos de história, Squadra Azzurra nunca foi derrotada pela Nationalelf em jogos oficiais. Imprensa fala em "trauma" e "algoz", mas jogadores pregam respeito. Jogo marca duelo entre Manuel Neuer e Gianluigi Buffon. Alemanha e Itália, um dos confrontos de maior tradição no futebol mundial, disputam neste sábado (02/07), em Bordeaux, uma vaga para as semifinais da Eurocopa 2016. As duas seleções possuem quatro títulos mundiais cada e chegaram a decidir uma Copa do Mundo, em 1982. Em 93 anos de história, Alemanha e Itália se enfrentaram 33 vezes, mas até hoje um tabu ainda não foi quebrado: em jogos oficiais, a Nationalelf nunca derrotou a Squadra Azzurra. Desde o primeiro duelo, em 1923 (vitória da Itália por 3 a 1), até o último (goleada da Alemanha por 4 a 1), foram disputadas ao todo 33 partidas, com 15 vitórias italianas, oito alemãs e dez empates. Destes 33 duelos, apenas oito foram realizados em competições oficiais Copas do Mundo e Eurocopas, mais precisamente. Somando prorrogações, foram quatro empates (três deles com o placar de 0 a 0) e quatro vitórias da Itália (duas após os 90 minutos de tempo regulamentar). A derrota mais dolorosa foi provavelmente na semifinal da Copa do Mundo de 2006, quando a anfitriã Alemanha foi eliminada com dois gols (Fabio Grosso e Alessandro Del Piero) nos últimos instantes da prorrogação. Jornais falam em "trauma" e Balotelli provoca Se entre jogadores e comissões técnicas rege o respeito mútuo, imprensas esportivas dos dois países e até Mario Balotelli, carrasco alemão na Eurocopa 2012, não pouparam adjetivos e provocações prévias à partida. Os diários alemães falaram em "revanche", relembraram "traumas" do passado causados pela "algoz" Itália. Jornais italianos provocaram, enaltecendo meio século de superioridade no futebol e acrescentaram que a Squadra Azzurra "não é o pesadelo dos alemães, mas seu trauma, sua tragédia no futebol". Autor dos dois gols da última eliminação alemã, Balotelli provocou: "Vamos lá, acabar com eles novamente", escreveu o atacante, que não foi convocado para a Eurocopa. "Devemos escalar o Everest" O meia Alessandro Florenzi comparou a missão de eliminar os atuais campões mundiais com escalar a montanha mais alta do mundo. "Nós devemos escalar o Everest para fazer história", exagerou o jogador italiano. A Alemanha também se mostrou respeitosa, mas confiante. "Acredito que se enfrentarão as duas melhores equipes do torneio", disse o treinador alemão, Joachim Löw, que deve manter a mesma equipe que eliminou a Eslováquia nas oitavas de final. O zagueiro Mats Hummels, no entanto, deixou claro que a semifinal de 2012 ainda está viva nas memórias do elenco alemão. "Aprendemos em 2012 que não podemos sair atrás no placar, porque eles são muito fortes na defesa", analisou. Naquela Eurocopa, na Polônia, a Alemanha também tinha ido como favorita na partida. Enquanto a Alemanha foi terceira colocada no Mundial de 2010, a Itália sucumbiu na fase de grupos ficando atrás da Nova Zelândia. Em campo com praticamente a mesma equipe que viria a ser campeã mundial no Brasil, a Alemanha não foi páreo para Balotelli e companhia. Entre os remanescentes daquela eliminação, 13 atletas estão no elenco alemão desta Eurocopa a maioria titulares: Manuel Neuer, Mats Hummels, Sami Khedira, Mesut Özil, Jérôme Boateng, Toni Kroos, Mario Gómez, Thomas Müller, Benedikt Höwedes, Andre Schürrle, Mario Götze, Bastian Schweinsteiger e Lukas Podolski. Do lado italiano, apenas o sistema defensivo sofreu poucas alterações. O duelo de muralhas E é justamente na qualidade defensiva que será decidido o jogo deste sábado. Será o duelo da única seleção que ainda não foi vazada nesta Eurocopa contra a personificação da disciplina defensiva, que alcançou suas maiores conquistas sem vergonha em ressuscitar o Catenaccio. Será o duelo dos maiores goleiros da atualidade: Manuel Neuer e Gianluig Buffon, ambos sem sofrer gols no torneio (o gol irlandês contra a Itália foi sofrido pelo reserva Salvatore Sirigu). Ambos já conquistaram a Copa do Mundo, a Liga dos Campeões e campeonatos nacionais, mas ainda não levantaram a taça da Eurocopa. Para Buffon, com 38 anos, esta é a última chance. E ele, com certeza, se lembra do último encontro entre as duas seleções, num amistoso em 29 de março, em Munique. Uma Alemanha mista atropelou uma também desfalcada Itália por 4 a 1, com gols de Kroos, Götze, Özil e Jonas Hector. Stephan El Shaarawy descontou. Presente na eliminação na Polônia e no amistoso em Munique, Hummels definiu bem o tabu e a dificuldade no confronto em Bordeaux: "Essa é a realidade. A Itália não é a Eslováquia. Sabemos que teremos que jogar muitos mais se quisermos ganhar", concluiu. Todos os jogos oficiais entre Alemanha e Itália: Copa do Mundo 1962, no Chile Fase de grupos 31.05.1962 Alemanha 0x0 Itália Copa do Mundo 1970, no México Semifinal 17.06.1970 Itália 1x1 Alemanha no tempo normal Itália 4x3 Alemanha, após a prorrogação Copa do Mundo 1978, na Argentina Segunda fase 14.06.1978 Itália 0x0 Alemanha Copa do Mundo 1982, na Espanha Final 11.07.1982 Itália 3x1 Alemanha Eurocopa 1988, na Alemanha Fase de grupos 10.06.1988 Alemanha 1x1 Itália Eurocopa 1996, na Inglaterra Fase de grupos 19.06.1996 Itália 0x0 Alemanha Copa do Mundo 2006, na Alemanha Semifinal 04.07.2006 Alemanha 0x0 Itália Alemanha 0x2 Itália, após prorrogação Eurocopa 2012, na Polônia Semifinal 28.06.2012 Alemanha 1x2 Itália Prováveis escalações: Alemanha: Manuel Neuer; Joshua Kimmich, Jérôme Boateng, Mats Hummels e Jonas Hector; Sami Khedira e Toni Kroos; Mesut Özil, Julian Draxler e Thomas Müller; Mario Gómez. Itália: Gianluigi Buffon; Andrea Barzagli, Leonardo Bonucci e Giorgio Chiellini; Alessandro Florenzi, Stefano Sturaro e Mattia De Sciglio, Marco Parolo, Emanuele Giaccherini; Éder e Graziano Pellè. Local: Stade de Bordeaux, em Bordeaux. Horário: 16h (horário de Brasília). Arbitragem: Viktor Kassai (Hungria). Autor: Philip Verminnen
TAGS