PUBLICIDADE
Notícias

"Píeres flutuantes", o novo projeto de Christo

14:52 | 18/06/2016
Instalação "Píeres flutuantes" poderá ser apreciada até 3 de julho em SulzanoInstalação no Lago de Iseo, no norte da Itália, é sonho de longa data do renomado artista. Durante duas semanas, visitantes da pequena Sulzano podem caminhar sobre as águas por três quilômetros. A pequena Sulzano, no norte da Itália, espera receber por volta de 800 mil visitantes entre este sábado (18/06) e 3 de julho, graças aos chamados Píeres flutuantes, novo projeto de Christo, estrela da pop art. Fixados sobre pontões flutuantes, três quilômetros de píeres com 16 metros de largura interligam Sulzano a duas ilhas próximas no Lago de Iseo, Monte Isola e San Paolo. Trata-se de um substituto natural para a balsa que transporta, normalmente, os 2 mil residentes das ilhas até o continente. O prefeito de Sulzano, Fiorella Turla, chama a instalação de "o milagre de Christo". O artista e a esposa Jeanne-Claude, que morreu em 2009, desenvolveram o conceito dos Píeres flutuantes já na década de 1970. Inicialmente, a ideia era que a instalação ficasse no Rio da Prata, na Argentina, e na Baía de Tóquio, no Japão. No entanto, eles nunca obtiveram permissão para realizar seu projeto nesses locais. Finalmente, o sonho se tornou realidade no Lago de Iseo, localizado entre Milão e Veneza. "É um pouco como andar sobre um colchão d'água", descreveu Wolfgang Volz, fotógrafo exclusivo de Christo e gestor do projeto. Trabalho intenso Apesar das difíceis condições meteorológicas, a instalação foi concluída dentro do cronograma. "No mês passado, tivemos três tempestades, mas elas não afetaram a obra", disse Volz. No total, 220 mil cubos plásticos foram agrupados e cobertos por 75 mil metros quadrados de tecido amarelo dourado. "Esta cor é dália amarelo. Este amarelo profundo não é uma cor só: o tecido muda de coloração pela manhã, parecendo quase vermelho; ao meio-dia, quando o Sol está a pino, ele fica dourado", afirmou Christo à DW. A empresa alemã Geo Die Luftwerker, baseada em Lübeck, foi contratada para preparar o tecido: cortá-lo, costurá-lo e instalá-lo sobre os píeres. "No final, tivemos que trabalhar em turnos das 7h às 23h", conta o diretor da companhia, Robert Meyknecht. Ele também teve de adquirir equipamentos especiais para a obra, como máquinas de costura potentes para o tecido grosso e um projetor a laser para obter os moldes específicos. "Cada parte tinha uma forma diferente", explica o diretor. O trabalho nos pontões não foi fácil para a equipe de Lübeck. "O movimento criado pelas ondas foi mais forte do que eu esperava", comentou Meyknecht. Ele disse ter ficado particularmente impressionado com altura das ondas durante a tempestade. "Christo estava lá e parecia tão animado quanto um menino", conta. A realidade é efêmera Christo ama a natureza. Suas obras de arte ambientais são, da mesma forma que as pessoas que as observam, expostas ao vento, ao sol a à chuva, dando vida aos trabalhos artísticos. "Isto não é uma imagem, um filme ou televisão, isto é a realidade", disse Christo à DW. O tecido que ele estende sobre ou em torno de objetos simboliza a natureza temporária da arte efêmera. Nesse contexto, a instalação "Píeres flutuantes", que custou 13 milhões de euros (por volta de 50 milhões de reais), não é exceção, ficando em exibição durante apenas 16 dias. Liberdade total Nascido na Bulgária, Christo financia seus trabalhos sem patrocinadores ou subvenções públicas. Em vez disso, ele vende seus esboços e fotos das instalações. O artista afirma ser cético quanto a todos os tipos de propaganda, seja política, ecológica ou religiosa. "Ninguém pode usar este trabalho para fazer propaganda, porque ele é baseado na liberdade total", diz. Ele chegou até a admitir que sua obra é completamente inútil. "Ninguém precisa deste projeto. Somente eu, Jeanne-Claude e alguns amigos queríamos tê-lo. Isso é arte pura." Na verdade, Christo, a esposa e os amigos não foram os únicos a querer o projeto. O prefeito de Sulzano também saúda a atenção internacional que a cidade deve receber nos próximos dias. Para as centenas de milhares de visitantes aguardados, a liberdade será mais do que um conceito quando andarem sobre a instalação flutuante assim como para Christo. Autor: Gaby Reucher (ca)
TAGS