PUBLICIDADE
Notícias

Nigéria: grupo separatista defende referendo sobre divisão do país

19:40 | 26/06/2016
Grupo separatista defendeu neste domingo um referendo para dividir a Nigéria. O grupo Vingadores do Delta do Níger postou um mapa nas mídias sociais sugerindo que a potência do Oeste africano poderia ser dividida em cinco países.

Analistas já haviam previsto que o resultado do referendo britânico para deixar a União Europeia poderia encorajar separatistas na Nigéria. "Grupos separatistas se sentirão encorajados", alertou a consultoria SBM Intelligence em uma análise sobre o resultado da votação no Reino Unido.

"O presidente (Muhammadu) Buhari deve chamar um referendo para permitir que todos os nigerianos votem se querem ficar como nigerianos ou não, assim como fez David Cameron da Grã-Bretanha", declarou o grupo Vingadores do Delta do Níger no Twitter.

Com base no sul do Delta do Níger, o Vingadores realiza ataques a oleodutos do País, afetando a produção de petróleo do país africano. Esses militantes do petróleo e outros ativistas não violentos têm demandado uma porção maior da riqueza gerada com a produção da commodity. Toda a produção de petróleo da Nigéria é proveniente do Delta do Níger e de campos offshore da região sul do país.

O petróleo corresponde a 70% da receita do governo federal. O ministro das Finanças Kemi Adeosun disse que os ataques do Vingadores em instalações da Chevron, da Shell e da Agip custaram ao governo cerca de US$ 60 milhões em maio. Os ataques pararam a produção em duas das cinco refinarias, interromperam o fornecimento de terminais de exportação e tornaram os compradores mais cautelosos com o petróleo nigeriano.

O Vingadores também se aliou a grupos separatistas do povo Igbo do sudeste nigeriano e declarou que eles também poderiam exigir um estado separado. Grupos separatistas Igbo ressurgiram no ano passado. A Nigéria viveu uma guerra civil entre 1965-1970 que deixou milhão de pessoas mortas depois que o povo Igbo declarou um estado independente de Biafra. A Grã-Bretanha alinhou-se com o governo federal da antiga potência colonial, enquanto a França apoiou os separatistas.

(Fonte: Associated Press)

TAGS