PUBLICIDADE
Notícias

Papa é agraciado com Prêmio Carlos Magno 2016

11:01 | 06/05/2016
Em cerimônia no Vaticano com a presença de líderes europeus, Francisco pede Europa "aberta e multicultural" e melhor acolhimento aos refugiados no continente. O papa Francisco foi agraciado nesta sexta-feira (06/05) com o Prêmio Carlos Magno de 2016, que homenageia personalidades que se destacam pela contribuição à união da Europa e pelo compromisso com a paz. Ao discursar durante a cerimônia de entrega do prêmio, realizada no Vaticano, Francisco relembrou os fundadores da União Europeia (UE) e o período do pós-guerra, dizendo que eles "ousaram desafiar radicalmente os modelos" que levaram à Segunda Guerra Mundial. "Hoje, mais do que nunca, sua visão nos inspira a construir pontes e derrubar muros", afirmou o papa. "Sonho com uma Europa onde ser migrante não seja crime, mas sim um chamado a um maior comprometimento em nome da dignidade de cada ser humano." "A Europa deve ser uma sociedade aberta e multicultural, recebendo bem os refugiados e ajudando os jovens a formarem famílias, lhes oferecendo oportunidades adequadas de emprego", observou o pontífice. Também estavam presentes na cerimônia a chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, o presidente da Comissao Europeia, Jean-Claude Juncker, e outros vencedores do Prêmio Carlos Magno, como o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz. Antes da entrega do prêmio, Merkel e Schulz tiveram audiências reservadas com o papa. Em seu perfil no Twitter, Schulz exaltou o discurso "forte e inspirador" do papa, dizendo se tratar de um "chamado para lutar pela Europa". O prêmio traz o nome de Carlos Magno (742/748-814), o imperador mais poderoso do início da Idade Média. Suas conquistas formaram um império que cobria a maior parte da Europa Ocidental. O líder da Igreja Católica é o 58º condecorado com a distinção, instituída em 1950. Em 2004 ela foi concedida ao papa João Paulo 2º. Entre as personalidades homenageadas com o prêmio se destacam os chanceleres federais alemães Konrad Adenauer (1954), Helmut Kohl (1988) e Angela Merkel (2008); o rei espanhol Juan Carlos 1º (1982); e os presidentes François Mitterrand (também 1988), da França, e Bill Clinton (2000), dos Estados Unidos. RC/rtr/dpa
TAGS