PUBLICIDADE
Notícias

Governador da Califórnia sanciona lei que cria maior salário mínimo do país

14:30 | 04/04/2016
O governador da Califórnia, Jerry Brown, sancionou nesta segunda-feira o projeto de lei que prevê elevar o salário mínimo estadual dos atuais US$ 10 por hora para US$ 15 até 2022.

A medida, que anda lado a lado com um projeto parecido no Estado de Nova York, é uma das iniciativas mais ambiciosas de estreitar o fosso que separa os ricos dos pobres nos Estados Unidos. Para analistas, outros estados podem seguir o exemplo californiano, dada a relutância do Congresso em legislar sobre o tema mesmo diante dos apelos do presidente Barack Obama.

"Isto é sobre justiça econômica. É sobre as pessoas. É sobre criar um pequeno reequilíbrio dentro de um sistema que se torna cada vez mais desequilibrados", disse Brown antes de sancionar o projeto de lei.

A medida enfrentou resistência por parte de empresários e políticos republicanos, que argumentam que a elevação do salário mínimo pode custar o emprego de milhares de pessoas. Uma análise legislativa chegou à conclusão de que o custo para o contribuinte chegará a US$ 3,6 bilhões por ano por causa da elevação dos salários de funcionários públicos.

Um salário mínimo-base de US$ 15 terá "impactos devastadores sobre pequenos negócios na Califórnia", disse Tom Scott, diretor-executivo do diretório estadual da Federação Nacional de Negócios Independentes. "Ignorar as vozes e preocupações da maior parte dos que criam vagas de trabalho neste estado é uma mostra do quão preocupante é a situação em Sacramento (a capital do Estado)."

Atualmente, cerca de 2,2 milhões de trabalhadores recebem o salário mínimo no Estado. Segundo estimativas do professor de economia da Universidade da Califórnia, David Neumark, o incremento nos ganhos pode custar o emprego de entre 5% e 10% dos trabalhadores menos qualificados.

Para o governador, o Estado da Califórnia, que sozinho, representa a oitava maior economia do mundo, pode absorver esses choques sem incorrer neste tipo de problema. Fonte: Associated Press.

TAGS