PUBLICIDADE
Notícias

Justiça russa condena militar ucraniana

07:12 | 22/03/2016
Piloto é considerada culpada pela morte de dois jornalistas russos e por cruzar a fronteira ilegalmente. Ela nega as acusações. Julgamento é criticado como "farsa política" por Kiev e pelo Ocidente. Um tribunal russo condenou nesta segunda-feira (21/03) a militar ucraniana Nadezhda Savchenko pelo assassinato dos jornalistas Igor Kornelyuk e Anton Voloshin. Ela também foi considerada culpada pela morte de civis e por cruzar ilegalmente a fronteira com a Rússia. O julgamento é considerado como "uma farsa política" por Kiev e pelo Ocidente. Savchenko "cometeu o assassinato premeditado e por motivos de ódio e inimizade", considerou um juiz na cidade de Donetsk, citado por agências de notícias russas. A piloto de aviação pode pegar pena de prisão de até 23 anos. Segundo o veredicto, ela teria agido por ordens de um comandante de um batalhão localizado na cidade de Schastye, na região de Lugansk. De acordo com o texto, Savchenko, "com treinamento militar e experiência militar em ações no Iraque", teria escolhido por vontade própria participar do batalhão Aidar, que combate a insurgência separatista em Lugansk, no leste da Ucrânia. A ucraniana negou as acusações, afirmando que o caso "se baseia em mentiras". No início do mês, ela iniciou uma greve de fome em protesto contra o julgamento. Em agosto, seu advogado Ilya Novikov afirmou que o processo se tornava "cada vez mais absurdo". "A acusação do assassinato de dois jornalistas foi alterada para incluir a travessia ilegal da fronteira. Este é um sinal claro de que a promotoria tem muito pouco para prosseguir." Kiev contesta a acusação de que ela teria entrado no país ilegalmente, afirmando que a ex-piloto foi sequestrada por separatistas pró-Rússia envolvidos no conflito no leste da Ucrânia e, posteriormente, entregue às autoridades na Rússia. Em 2014, Savchenko considerada uma heroína de guerra em seu país deixou seu posto nas Forças Armadas ucranianas para aderir voluntariamente ao batalhão Aidar. Segundo os promotores russos, ela teria fornecido às forças ucranianas informações sobre a localização de separatistas próximos a Lugansk. Diversas pessoas, inclusive os dois jornalistas russos, morreram quando a região foi alvo de ataques pelas forças de Kiev. Autor: Lewis Sanders IV (rc)
TAGS