PUBLICIDADE
Notícias

Turquia ataca curdos no norte da Síria

14:07 | 14/02/2016
Forças do país continuam ataques de artilharia contra posições curdas. EUA apelam para fim das investidas contra tropas consideradas aliadas do Ocidente na luta contra o "Estado Islâmico". O Exército da Turquia continuou neste domingo (14/02) a atacar com artilharia posições curdas do norte da Síria. Nas operações, realizadas no sábado e no domingo, ao norte da cidade de Aleppo, morreram pelo menos dois combatentes e sete foram feridos, de acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos. Na região, Unidades de Defesa do Povo (YPG), juntamente com aliados árabes, haviam conquistado posições contra rebeldes islâmicos. O primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, confirmou o ataque do sábado, argumentando que o Exército reagiu contra um ataque vindo da região de Asa, no norte da Síria. Ele exigiu que as YPG se retirem da região de Asa, segundo a agência de notícias turca Anadolu. Sobre o bombardeio no domingo, não houve inicialmente comentário oficial do governo turco. As YPG são o ramo sírio do banido Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) e estão entre os principais aliados do Ocidente no combate à milícia terrorista "Estado Islâmico". Já a Turquia os classifica como "organização terrorista". O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, John Kirby, apelou para que a Turquia acabe com o bombardeio. Durante a Conferência de Segurança de Munique, ele também enfatizou que os curdos não devem tirar vantagem de combates entre tropas sírias e rebeldes, anexando novos territórios. A Turquia teme que as YPG e seus aliados venham a controlar a fronteira com a Turquia. Os curdos já criaram um governo autônomo em amplas áreas da região. A preocupação de Ancara é que uma região autônoma curda na Síria alimente esperanças de independência dos curdos na Turquia. MD/dpa/rtr/afp
TAGS