PUBLICIDADE
Notícias

Ex-parceira de Evo Morales é detida na Bolívia por denúncia de corrupção

17:30 | 26/02/2016
Uma ex-parceira do presidente da Bolívia, Evo Morales, foi detida nesta sexta-feira por suposto tráfico de influência em contratos milionários entre o governo e a empresa chinesa da qual ela é uma alta executiva.

Zapata não deu declarações aos jornalistas enquanto era transferida para a delegacia da polícia na zona Sul de La Paz.

O jornalista Carlos Valverde afirmou em seu programa de televisão local que a advogada e empresária havia mantido um "relacionamento sentimental" com o presidente, resultando no nascimento de um filho em 2007, um ano depois que Morales tomou posse. Depois disso, ela passou a dirigir a empresa chinesa CAMC Engineering, que ganhou sete projetos do governo por mais de US$ 500 milhões.

Morales reconheceu o romance com Zapata e assegurou que tiveram um filho que teria morrido, posteriormente. Sem dar mais detalhes, disse que desde 2007 não a via.

"Morales pediu para que se investiguem todos os contratos envolvendo essa empresa através da Controladoria, e o próprio presidente já ordenou que todos os mecanismos do

Estado se ativem para esclarecer essas denúncias", disse o ministro do governo, Carlos Romero.

Ele acrescentou que "há denúncias do Ministério da Transparência e da Unidade de Investigação de Fortunas apresentadas contra Zapata no Ministério Público e nossa tarefa e colocá-la a disposição" das autoridades.

Essa é a primeira denúncia de corrupção envolvendo diretamente Evo Morales em seus dez anos de governo.

Mais de 70 empresas chinesas operam na Bolívia em contratos para o governo em mineração, obras públicas e projetos petroleiros.

A CAMC constrói uma usina de açúcar, uma unidade de produção de sais de potássio, um projeto de abastecimento de água e foi premiada com a compra de plataformas petroleiras. Mas o próprio governo suspendeu um contrato para a construção de uma rede ferroviária por atrasos na entrega dos projetos. Fonte: Associated Press.

TAGS