PUBLICIDADE
Notícias

Café irlandês é acusado de xenofobia por fazer piada com brasileiro

Tudo começou quando o proprietário do estabelecimento publicou na Internet um comentário sobre uma entrevista de emprego que havia feito com um brasileiro

15:31 | 25/02/2016
NULL
NULL
Uma postagem feita no Facebook pelo proprietário de um café em Dublin, na Irlanda, gerou uma verdadeira "guerra de ofensas" entre internautas.

Por consequência, o negócio de Paul Stenson ganhou uma imagem negativa, a ponto de ser acusado de praticar xenofobia.

Tudo começou no último dia 15, quando Paul publicou na página White Moose Café um comentário sobre uma entrevista de emprego com um candidato brasileiro.

"Pobre rapaz, sempre que queria dizer 'cozinha' (kitchen, em inglês), ele dizia 'frango' (chicken). 'Eu quero muito ser assistente de frango'. 'Eu gosto de frango'. 'Seu frango é grande?' Nunca foi tão difícil me manter sério em toda minha vida", diz a mensagem.
[VIDEO1]
A postagem, no entanto, causou reações negativas e conta com mais de 1,3 mil curtidas e com mais de 80 compartilhamentos.

Internautas brasileiros fizeram diversos comentários negativos ao café, que respondeu com mais provocações.

Cinco dias após a primeira publicação, a página do café recebeu diversas avaliações com apenas uma estrela (nota mínima), resultado de uma campanha encabeçada por brasileiros.

Além de selecionar uma nova foto de capa, na qual o lutador brasileiro, José Aldo, é nocauteado pelo irlandês Conor McGregor, o café ironiza os comentários que recebe.

"As notas de uma estrela continuam a chegar rapidamente e em grande volume. Mas a maioria delas não têm texto. Se algum brasileiro for capaz de escrever uma avaliação usando um inglês perfeito, ganhará um jantar com frango".

O café, nesta momento, está avaliado com 1,7 estrelas, enquanto que a nota máxima é 5.

Em entrevista à BBC Brasil, porém, Paul declarou que tudo não passa de brincadeiras. "Gostamos de fazer graça com as pessoas. Não é para ser uma página séria. Mas alguns brasileiros levaram para o lado errado e criaram uma campanha para nos atacar", rebateu.

Redação O POVO Online
TAGS