PUBLICIDADE
Notícias

Arábia Saudita oferece envio de tropas terrestres à Síria

19:58 | 04/02/2016
General saudita diz que reino está disposto a integrar qualquer operação terrestre estipulada pela aliança militar liderada pelos EUA. Ele afirma que é preciso "um misto de ações aéreas e terrestres" para derrotar o EI. A Arábia Saudita está disposta a integrar qualquer ação terrestre que a aliança militar liderada pelos Estados Unidos decidir realizar na Síria contra o grupo extremista "Estado Islâmico" (EI), comunicou nesta quinta-feira (04/02) um general do reino. "Se houver vontade da coalizão para uma operação terrestre, vamos contribuir de forma positiva", afirmou o brigadeiro-general Ahmed al-Asiri à agência de notícias AFP. O militar saudita acrescentou que o reino realizou até então cerca de 200 missões aéreas no combato ao EI na Síria. "Acreditamos que operações aéreas não são a solução ideal. É preciso haver um misto de operações aéreas e terrestres", alegou. A Arábia Saudita integra desde o final de 2014 a coalizão militar liderada pelos EUA, formalmente com 65 membros, e que tem bombardeado as posições do grupo jihadista, que controla grandes partes do território de Síria e Iraque. Asiri é também o porta-voz de uma coalizão militar árabe, que realiza, desde março, ataques aéreos e operações terrestres no Iêmen contra rebeldes huthis, que se apoderaram de partes importantes do país e contam com o apoio do Irã. Teerã é também um notório aliado do regime do presidente sírio, Bashar al-Assad, que se confronta com uma insurgência há cinco anos, parte da qual apoiada pelos sauditas. A guerra civil na Síria é responsável pela morte de mais de 260 mil pessoas e forçou a fuga de aproximadamente 10 milhões de pessoas. Nesta quinta-feira, potências mundiais prometeram mais de 10 bilhões de dólares de ajuda aos sírios atingidos pelo conflito. Os países doadores injetarão os recursos em projetos que visam fornecer alimentação, educação e oportunidades de emprego a sírios, dentro da Síria e nos países vizinhos para onde muitos fugiram. PV/lusa/
TAGS