PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Morre André Courrèges, estilista que popularizou a minissaia

Courrèges morreu nesta quinta, em sua casa, após uma batalha de 30 anos contra a doença de Parkinson, informou a casa Courrèges em um comunicado

15:03 | 08/01/2016
NULL
NULL (Foto: )

O estilista francês André Courrèges, símbolo da revolução indumentária dos anos 1960 que popularizou a minissaia, faleceu aos 92 anos em sua residência perto de Paris, anunciou nesta sexta-feira, 8, sua "maison".

Courrèges, que parou de trabalhar na década de 1990, morreu nesta quinta-feira, 7, em sua casa, em Paris, após uma batalha de 30 anos contra a doença de Parkinson, informou a casa Courrèges em um comunicado.

Entre vestidos curtos com linhas limpas, botas, toques de vinil e a onipresença do branco, sua cor favorita, o estilista captou o espírito da época e marcou seu tempo, soprando um vento de juventude e futurismo à moda.

Uma de suas musas foi a cantora Françoise Hardy, vedete dos anos 1960. "Ao longo de sua vida, André Courrèges, com (sua esposa) Coqueline, não parou de avançar, de inventar para estar sempre à frente. Um criador visionário que anteviu o que seria o século 21 e que acreditava no progresso. E isso é o que torna Courrèges tão moderno hoje", declararam Jacques Bungert e Frédéric Torloting, copresidentes do grupo Courrèges.

Nascido em Pau (sudoeste da França) em 9 de março de 1923, filho de um mordomo apaixonado por arquitetura e pintura, começou a trabalhar no final da década de 1940 com o estilista Cristobal Balenciaga, que lhe ensinou o métier e com quem permaneceu 11 anos. Lá conheceu sua futura esposa, com quem abriu em 1961 a sua própria casa de moda que logo se tornou um sucesso fenomenal.

[FOTO2] 

Seus desfiles eram impregnados de conceitos, com a instalação de uma enorme bolha transparente no Jardin des Plantes, em Paris, em 1980. Em 1985, investiu em um grande hotel de Tóquio para um evento de moda e música, durante o qual as maiores canções da música francesa foram interpretadas por 130 músicos.

Aposentou-se em 1994, passando a se dedicar à pintura e à escultura, e deixando sua esposa à frente da casa, finalmente vendida em 2011 para a dupla Frédéric Torloting e Jacques Bungert.

AFP

TAGS