PUBLICIDADE
Notícias

Militantes do Taleban abrem fogo em universidade no Paquistão e matam 20 pessoas

08:15 | 20/01/2016
Um grupo de homens armados do Taleban invadiram a Universidade Bacha Khan em Charsadda no noroeste do Paquistão nesta quarta-feira e abriram fogo contra estudantes e professores em salas de aula. O Movimento dos Talebans Paquistaneses (TTP) reivindicou o ataque, que deixou ao menos 20 mortos e mais de 60 feridos, segundo informou autoridades.

O ataque começou por volta das 9h30 locais (2h30 de Brasília). Segundo o oficial da polícia Saeed Khan Wazir, os atiradores entraram no complexo universitário subindo pelas paredes e atirando em um segurança que estava de costas antes deles entrarem para o edifício onde ficam a administração da universidade e os quartos dos estudantes.

O governo e forças de segurança da polícia retomaram o controle da universidade, que fica a 130 quilômetros da capital do Paquistão, Islamabad, depois de um longo confronto com os militantes. Segundo o porta-voz do exército, Asim Bajwa, os soldados mataram quatro terroristas.

"O ataque Exército Escola Pública foi um aviso, que não deram atenção. Vamos continuar os nossos ataques", disse o líder da facção do Taleban paquistanês, Umar Mansoor Khalifa, em telefonema à Associated Press. "Essas faculdades, universidades e escolas facilitam a ação do governo", acrescentou o líder, afirmando que quatro homens participaram do ataque.

Há pouco mais de um ano, o TTP matou mais de 130 alunos da Escola Pública Exército em Peshawar. Nos últimos dois anos, o Paquistão ampliou as operações contra o terrorismo, empreendendo campanhas nas áreas tribais no noroeste montanhoso do país.

Essas campanhas e uma ampla ofensiva contra o terrorismo em todo o país já reduziu drasticamente o número de ataques ao longo dos últimos 12 meses. Mas militantes do Taleban, que têm inúmeras facções, continuam a atacar, principalmente em alvos fáceis e muitas vezes com explosões de bombas.

A principal facção do Taleban paquistanês, que é liderada por Mullah Fazlullah, condenou o ataque e expressou sua "aversão". "Nós consideramos estudantes e instituições não militares como construtores do futuro do nosso movimento jihadista, e consideram que é nosso dever protegê-los", disse Muhammad Khurasani, porta-voz do grupo de Fazlullah, que apoiou o ataque à escola administrada pelo Exército em Peshawar, em Dezembro de 2014. Fonte: Dow Jones Newswires e Associated Press.

TAGS