PUBLICIDADE
Notícias

Em visita surpresa, Ban Ki-moon pede calma na violência entre Israel e Palestina

10:35 | 21/10/2015
O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, pediu calma durante uma visita surpresa a Jerusalém antes das reuniões com Israel e os líderes palestinos, em uma manobra de alto perfil para pôr fim a uma onda de violência que já dura há um mês.

A visita ocorre em meio a conflitos em torno do local sagrado e considerado santo tanto para os judeus quanto para os muçulmanos. Uma série de ataques palestinos quase diários contra civis e soldados causou pânico em Israel e levantou temores de que a região está à beira de uma nova rodada de derramamento de sangue.

"Estes são tempos difíceis para israelenses e palestinos. Estou aqui na espera de que possamos trabalhar juntos para acabar com a violência, aliviar as tensões e começar a restaurar um horizonte político de paz a longo prazo", disse Ban em coletiva de imprensa com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, na terça-feira à noite.

"Eu condeno os ataques aleatórios contra civis. Tais ataques terroristas fazem cada lugar um local inseguro e cada pessoa, independentemente de sexo ou idade, uma potencial vítima", acrescentou.

No mês passado, 10 israelenses foram mortos em ataques palestinos. Nesse tempo, 46 palestinos foram mortos por soldados israelenses, incluindo 25 identificados por Israel como atacantes e o restante em confrontos com as tropas israelenses.

Netanyahu disse na terça-feira que a violência foi causada em grande parte por incitamento de líderes palestinos, incluindo o presidente Mahmoud Abbas.

"O presidente Abbas infelizmente incitou o fogo. O presidente Abbas não condenou um único um dos 30 ataques terroristas contra israelenses durante o mês passado e ele continua a glorificar os terroristas como heróis", disse Netanyahu.

O surto inicial de ataques palestinos foi alimentado por rumores de que Israel estava conspirando para assumir o lugar sagrado mais sensível de Jerusalém, conhecido como composto colina, na Cidade Velha de Jerusalém, que é reverenciado pelos judeus como o Templo Mount, local dos dois templos bíblicos judaicos. É o local mais sagrado do Judaísmo.

O local é conhecida pelos muçulmanos como o Nobre Santuário, que abriga a Mesquita Al-Aqsa e o Domo da Rocha com tampo de ouro. É o local mais sagrado do Islã depois de Meca e Medina na Arábia Saudita.

Israel negou veementemente as acusações, dizendo que não tem planos para mudar o status quo no local, onde os judeus estão autorizados a visitar, mas não rezar. No entanto, as visitas dos judeus ao local duplicaram desde 2010 e altos membros do governo de Netanyahu têm pedido pelos direitos de oração judaica, alimentando preocupações palestinas.

Netanyahu disse que o presidente Abbas juntou o Estado Islâmico com o Hamas ao afirmar que Israel ameaça a Mesquita de Al-Aqsa e que "Abbas deve ser responsabilizado por suas palavras perigosas".

Em Washington, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, disse que se reunirá em breve com

Netanyahu e separadamente com Abbas, bem como o rei Abdullah da Jordânia.

A visita de Ban veio em meio a mais um dia de violência. Na terça-feira à noite, o exército de Israel disse que dois palestinos foram baleados e mortos depois que eles atacaram soldados na cidade bíblica de Hebron.

Poucas horas antes, o exército de Israel disse que suas forças mataram um palestino durante um confronto ao longo da fronteira com a Faixa de Gaza. Um comunicado militar disse que os soldados identificados como palestinos tinham se preparado para atacar soldados na fronteira da Faixa de Gaza e que eles "frustraram o ataque, disparando em direção aos snipers". Fonte: Associated Press.

TAGS