PUBLICIDADE
Notícias

Líderes da UE fazem cúpula de emergência sobre refugiados

05:17 | 23/09/2015
Reunião deve ratificar realocação de 120 mil migrantes, medida criticada por Estados do Leste Europeu. Encontro ocorre em meio a relatos de processos judiciais contra 19 países por violação da legislação de asilo. Os líderes da União Europeia (EU) participam, nesta quarta-feira (23/09), de uma cúpula emergencial sobre a crise migratória na Europa, um dia após a maioria dos ministros do Interior do bloco ter aprovado a realocação de 120 mil refugiados entre os 28 Estados-membros. Em Bruxelas, chefes de governo e de Estado devem discutir o reforço das fronteiras externa da UE e um aumento na ajuda para Turquia, Jordânia, Líbano e agências humanitárias. O encontro ocorre em meio a relatos de processos judiciais contra 19 países por violarem a legislação de asilo da UE. Na terça-feira, a maioria dos ministros do Interior aprovou a controversa realocação de 66 mil refugiados que estão em centros de acolhimento na Grécia e na Itália. E, em 2016, serão distribuídas outras 54 mil pessoas que estão vivendo em abrigos na Hungria. República Tcheca, Eslováquia, Romênia e Hungria votaram contra a proposta, e a Finlândia se absteve. Na prática, no entanto, o resultado da votação significa que os países que votaram contra o sistema de cotas também terão que acolher mais refugiados. A organização não governamental VoteWatch Europe, que acompanha a presença e o comportamento em votações dos membros do Parlamento Europeu, publicou um gráfico que mostra quantos migrantes cada país receberá caso o Conselho Europeu adote o plano. Após a decisão de terça-feira, o primeiro-ministro da Eslováquia, Robert Fico, disse que preferiria correr o risco de infringir regras da UE do que implementar cotas adotadas pelo bloco. "Eu preferiria cometer uma infração a respeitar o ditado pela maioria, que não foi capaz de impor sua opinião usando argumentos racionais para alcançar um consenso na UE", disse Fico. Já o ministro do Interior da República Tcheca, Milan Chovanec, chamou a decisão de "um gesto político vazio" tom seguido pelo premiê tcheco, Bohuslav Sobotka: "É uma decisão ruim, e a República Tcheca fez de tudo para bloqueá-la." Violação da legislação de asilo Em publicação desta quarta-feira, o jornal alemão Die Welt afirmou que a Comissão Europeia abrirá 40 processos contra 19 países por violação da legislação de asilo da UE. Os países, que incluem Alemanha, França, Itália, Áustria e Hungria, são acusados de não terem "aplicado de modo adequado" os procedimentos de asilo. As violações incluem falha na manutenção das normas mínimas relativas aos procedimentos de asilo e recepção inadequada de refugiados. Dinamarca, Irlanda e Reino Unido foram isentados dos processos judiciais, uma vez que eles não seguem a legislação de asilo da UE. Um relatório divulgado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) estima que a UE registre 1 milhão de pedidos de asilo em 2015 e que até 450 mil pessoas recebam o status de refugiado. A Alemanha estima a chegada de 800 mil refugiados em 2015. PV/afp/dpa/ap/rtr
TAGS