PUBLICIDADE
Notícias

Israel aprova lei que prevê alimentação forçada de presidiários em greve de fome

13:50 | 30/07/2015
O Parlamento de Israel aprovou hoje uma polêmica lei que autoriza juízes a permitir a alimentação forçada de presidiários que realizem greve de fome.

A lei, que também prevê a administração de cuidados médicos em risco de morte do presidiário, foi aprovada por 46 votos a 40, um resultado apertado no chamado Knesset, que dispõe de 120 assentos. Os demais parlamentares faltaram à sessão, que ocorreu de manhã.

Nos últimos anos, muitos presidiários palestinos têm recorrido a greves de fome como forma de atrair atenção para casos de detenção sem julgamento ou acusações. Como vários deles sofrem problemas de saúde e acabam sendo hospitalizados, aumentam as tensões entre os palestinos.

Israel teme que a eventual morte de um presidiário gere tumultos populares. No passado, o governo israelense chegou a ceder a exigências de presos e, em alguns casos, os libertou.

"A lei cria o equilíbrio certo entre o interesse do Estado de proteger a vida do presidiário e seus direitos e soberania sobre seu corpo", comentou David Amsalem, parlamentar do governista Likud que apoiou a nova legislação.

Críticos da mudança alegam que a alimentação forçada fere a ética e é uma forma de tortura. A Associação Médica Israelense, que orientou os profissionais da área a não cooperar, planeja contestar a lei na Suprema Corte. Fonte: Associated Press.

TAGS