PUBLICIDADE
Notícias

Explosões em comício curdo matam 2 na Turquia, antes das eleições de domingo

16:40 | 05/06/2015
Duas pessoas morreram e mais de 100 se feriram, após duas explosões atingirem um comício eleitoral de um partido curdo no sudeste da Turquia nesta sexta-feira, afirmou o ministro da Agricultura do país, Mehdi Eker. As explosões ocorreram com minutos de diferença, no último comício do Partido Democrático do Povo, quando o líder partidário Selahattin Demirtas se preparava para falar à multidão na cidade de Diyarbakir, a principal no sudeste de maioria curda do país.

Não estava ainda claro quantas pessoas se feriram com gravidade. O ministro da Saúde, Mehmet Muezzinoglu, havia dito mais cedo que cerca de 50 pessoas haviam se ferido, e que entre 20 e 24 delas recebiam tratamento em hospitais.

Os organizadores do evento primeiro disseram que um problema em uma unidade de distribuição de energia havia causado as explosões. Já o ministro de Energia, Taner Yildiz, rechaçou essa hipótese. Segundo ele, houve uma "interferência externa" na unidade de energia, ainda que ele disse não saber se havia uma bomba.

As explosões ocorrem em um momento de tensão no país, dois dias antes das eleições parlamentares de domingo, nas quais o voto curdo é crucial. O partido tenta ultrapassar a barreira de 10% dos votos, necessários para garantir cadeiras no Parlamento. Caso consiga, tornará impossível para o governista AKP atingir uma supermaioria no Parlamento, o que ameaçaria as ambições do AKP de introduzir uma nova Constituição e transformar o sistema parlamentar em presidencialista, o que daria ao presidente Recep Tayyip Erdogan poderes executivos.

O primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, disse que autoridades investigaram a causa das explosões. O comício foi cancelado, mas muitos jovens permaneceram no local, protestando. Alguns lançaram pedras contra um carro da polícia que lançava jatos d'água para dispersar a multidão.

Mais cedo nesta semana, foi atacado um veículo de campanha do partido curdo e o motorista foi morto. No mês passado, bombas em dois escritórios locais da sigla deixaram seis pessoas feridas. Fonte: Associated Press.

TAGS