PUBLICIDADE
Notícias

Coreia do Sul propõe aproximação com Coreia do Norte

07:39 | 29/12/2014
Ministro Ryoo Kihl-jae anuncia proposta em coletiva de imprensaSeul sugere consultações bilaterais para o início do ano que vem em meio à tensão entre EUA e Pyongyang em torno de filme sobre ditador norte-coreano. Em quatro dias, comédia fatura 18 milhões de dólares. A Coreia do Sul propôs nesta segunda-feira (29/12) reuniões de alto escalão com a Coreia do Norte, a serem realizadas em janeiro de 2015. A manobra vem em meio a recentes tensões entre Pyongyang e os Estados Unidos, envolvendo a Sony Pictures. Ryoo Kihl-Jae, ministro sul-coreano de Unificação e responsável por assuntos relativos à Coreia do Norte, disse que as conversações deverão abordar o reencontro de familiares separados pela Guerra da Coreia e eventos para lembrar o 70° aniversário da divisão da península coreana, em 1945. O ministro afirmou ter esperanças de que o governo norte-coreano aceite a proposta. As conversações poderão ser realizadas em Seul ou em Pyongyang. Uma proposta oficial foi enviada ao colega de pasta norte-coreano, Kim Yang-gon, informou Ryoo. As últimas reuniões de alto escalão entre os dois países aconteceram em fevereiro deste ano. Em seguida, a Coreia do Norte organizou um raro encontro entre familiares separados desde o fim da Guerra da Coreia, em 1953. As duas Coreias aceitaram retomar conversações durante uma visita surpresa de uma delegação norte-coreana aos Jogos Asiáticos, realizados na Coreia do Sul em outubro. No entanto, o diálogo não chegou a acontecer devido a uma nova escalada das tensões entre os dois países e uma série de pequenos incidentes na fronteira. "A Entrevista" A Coreia do Norte tem estado em foco nos últimos dias por conta da controversa comédia do estúdio Sony Pictures A Entrevista, em que dois jornalistas são envolvidos num complô para matar o ditador norte-coreano, Kim Jong-un. O anunciado lançamento do filme provocou um ataque de hackers à rede interna do estúdio hollywoodiano, o qual os Estados Unidos atribuem à Coreia do Norte. Devido ao incidente, a Sony Pictures havia cancelado a estreia do filme. Mas, na última quarta-feira, a comédia estrelada por Seth Rogen e James Franco foi disponibilizada na internet e, no dia seguinte, em mais de 300 cinemas independentes dos EUA. Em quatro dias, o filme arrecadou 2,8 milhões nos cinemas e mais de 15 milhões de dólares na internet, tornando-se, assim, o filme número 1 em vendas online da Sony Pictures. CA/dpa/afp/rtr
TAGS