PUBLICIDADE
Notícias

Milícia curda inicia ofensiva contra Estado Islâmico

16:10 | 01/11/2014
Combatentes curdos conhecidos como peshmergas deram início a uma batalha contra os militantes do grupo Estado Islâmico na cidade fronteiriça síria de Kobane. A cidade se tornou o foco na batalha contra os extremistas. Há pouco, reportagem da rede Al Jazeera informou que, menos de 24 horas depois de chegarem a Kobane, os peshmergas iniciaram os ataques e dispararam pelo menos seis foguetes contra postos do Estado Islâmico.

Os combatentes carregam armamentos pesados incluindo artilharia, metralhadoras pesadas e mísseis anti-tanque, equipamentos que podem desequilibrar a batalha contra os extremistas. Um grupo de combatentes curdos sírios conhecidos como Unidades de Defesa Populares, ou YPG, enfrenta o Estado Islâmico há semanas e aguardavam a chegada do armamento superior dos peshmergas.

O enfrentamento ocorre depois que a Frente al-Nusra, ligada a Al-Qaeda na Síria, conseguiu forte vitória contra uma facção rebelde moderada, tomando seu quartel general e a região montanhosa estratégica de Jabal al-Zawiya, no noroeste da província de Idlib. Jabal al-Zawiya foi uma das primeiras áreas a sair do controle do presidente Bashar Assad depois que começou o levante contra seu governo em março de 2011.

A tomada de Idlib das mãos dos moderados pode frustrar os Estados Unidos, que planejam trabalhar com facções moderadas no futuro para lutar contra jihadistas e forças de Assad.

Shorsh Hassan, um porta-voz do YPG, disse que os peshmerga e o YPG estão preparando terreno para forças curdas iraquianas. "A prioridade será recapturar a vizinhança de Kobane que foi tomada pelo Estado Islâmico e depois a meta será libertar todos os vilarejos no interior", disse.

Desde meados de setembro, o Estado Islâmico capturou dezenas de vilarejos de maioria curda perto de Kobane e entrou na cidade depois de semanas tentando tomá-la. A posição do grupo extremista em Kobani também tem sido combatida nas últimas semanas por meio de mais de 150 ataques aéreos liderados pela coalizão liderada pelos Estados Unidos. (Dayanne Sousa - dayanne.sousa@estadao.com, com informações da Associated Press)

TAGS