PUBLICIDADE
Notícias

Manifestações em Burkina Faso pedem saída de militares do poder

14:29 | 02/11/2014
Centenas vão às ruas exigir que poder volte às mãos dos civis, depois que o tenente-coronel Yacouba Isaac Zida foi nomeado presidente do país pelo Exército. ONU pede que eleições sejam realizadas o mais rápido possível. Cerca de mil pessoas protestaram neste domingo (02/11) numa praça no centro de Uagadugu, capital de Burkina Faso, para pedir a participação da sociedade civil na transição comandanda pelo Exército. Para os manifestantes, a transição "pertence ao povo" e não pode ser "confiscada" pelos militares. De acordo com testemunhas, a manifestação na Praça da Nação o epicentro dos grandes protestos contrários à extensão do mandato do ex-presidente Blaise Compaoré não reuniu tantas pessoas como era esperado. Para alguns representantes da oposição e da sociedade civil não há necessidade de realizar protestos antes de discutir o processo de transição com o Exército. De acordo com a agência de notícia AFP, o Exército assumiu o controle da emissora de rádio e TV nacional de Burkina Faso. Soldados da Guarda Presidencial dispararam para o ar no pátio de entrada do edifício, para dispersar os manifestantes antes de assumirem o controle das instalações. Autoridades das Nações Unidas apoiam o rechaço de EUA e União Africana ao governo militar, mas expressaram um moderado otimismo perante a possibilidade do poder voltar às mãos de um civil. Eles desejam que eleições livres e justas sejam realizadas o mais rápido possível. "Esperamos uma transição liderada pelos civis em linha com a Constituição", disse Mohammed Chambas, chefe do Departamento da ONU para a África Ocidental. A Alemanha também condenou a tomada do poder no país pelos militares e pediu que eles o devolvam às autoridades constitucionais. O país europeu aconselhou, ainda, que cidadãos alemães evitem viajar à nação africana. No comunicado, o governo em Berlim pede que todas as partes ajam com prudência e responsabilidade política. Escolhido pelos militares Até o momento, o subchefe da Guarda Presidencial de Burkina Faso, tenente-coronel Yacouba Isaac Zida, foi escolhido pelos militares para liderar o processo de transição no país. O chefe do Estado-Maior, general Nabéré Honoré Traoré, que se proclamou presidente num primeiro momento, deu respaldo a Zida. O tenente-coronel foi eleito por unanimidade pela alta hierarquia militar do país. O número dois na hierarquia da Guarda Presidencial tem mais respaldo de setores da sociedade civil do país do que o general Traoré, que é considerado muito próximo do ex-presidente Blaise Compaoré. Depois de ficar 27 anos no poder, ao qual chegou depois de ter protagonizado um golpe de Estado, Compaoré apresentou a sua demissão do cargo após três dias de manifestações que pediam a sua saída. Na quinta-feira, os manifestantes invadiram o prédio do Parlamento, onde seria votada uma alteração constitucional que permitiria a Compaoré concorrer a mais um mandato de cinco anos. FC/afp/dpa/rtr/lusa/ap
TAGS