PUBLICIDADE
Notícias

Desmatamento da Amazônia diminuiu 18% no período de um ano

''É a segunda menor taxa da história. O resto é especulação. Trabalhamos duro para acabar com o desmatamento'', disse a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira

15:23 | 26/11/2014
NULL
NULL

O desmatamento da Amazônia brasileira caiu 18% no período 2013-2014, ou 4.848 km2, a segunda menor cifra da história, de acordo com informações das autoridades ambientais brasileiras, nesta quarta-feira, 26.

O número foi divulgado pouco dias antes do início da Conferência Mundial sobre as Mudanças Climáticas (COP20), em Lima.

"É a segunda menor taxa da história. O resto é especulação. Trabalhamos duro para acabar com o desmatamento", disse a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, em um momento que outras informações apontam para um aumento desse número.

O desmatamento na maior floresta do planeta alcançou seu menor nível histórico no período 2011-2012, quando chegou a 4.571 km2.

[SAIBAMAIS4] 

Apesar disso, aumentou no período 2012-2013, quando chegou a 5.891 km2 (%2b29%). Os especialistas do governo dizem agora que o número está retomando sua tendência decrescente, o que não acontecia desde 2009.

A medida é feita na chamada Amazônia legal do Brasil, que compreende os nove estados amazônicos brasileiros, nos períodos que incluem de agosto de 2013 até julho deste ano.

É realizada por meio do sistema PRODES de imagens de satélite a cargo do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), que capta o desmatamento por corte raso, ou seja, a remoção completa da cobertura florestal, e que mostra manchas marrons ou avermelhadas em meio aos imensos espaços verdes da floresta.

Recentemente, a ONG Instituto Imazon divulgou que entre outubro de 2013 e 2014 o desmatamento no Brasil teria aumentado 467%.

"Muito foi especulado. Há sistemas como o da Imazon que especularam esse aumento. Agora é um número oficial. Não quero dizer que outros não podem fazer esse acompanhamento. Mas não podemos misturar métodos nem informações", disse a ministra em uma entrevista coletiva.

 

AFP

TAGS