PUBLICIDADE
Notícias

Número de mortos por erupção no Japão chega a 48

Muitas pessoas encontradas sem vida apresentavam sinais de ferimentos provocados por rochas, segundo os primeiros indícios. O vulcão não expeliu lava, mas projetou pedras e cinzas

08:15 | 01/10/2014
NULL
NULL

Doze corpos encontrados nesta quarta-feira, 1, no topo do vulcão japonês Ontake elevam a 48 o número de mortos desde o início da erupção, no último sábado, 27, o que deixou centenas de pessoas presas no monte.

Coberto com uma espessa nuvem de cinzas, que deixam o local parecido com a superfície da Lua, o monte fica entre os municípios de Nagano e Gifu, no centro do Japão.

As equipes de resgate anunciaram que encontraram sete corpos em "estado de parada cardíaca", assim como havia acontecido com outros 36 corpos localizados nos últimos dias.Mais tarde, o canal estatal NHK e outros meios de comunicação informaram que outros cinco corpos foram encontrados.

[SAIBAMAIS 1]

No Japão, as autoridades usam a expressão "parada cardíaca" para indicar a ausência de sinais vitais até a divulgação de uma certidão de óbito.

Muitas pessoas encontradas sem vida apresentavam sinais de ferimentos provocados por rochas, segundo os primeiros indícios. O vulcão não expeliu lava, mas projetou pedras e cinzas.

As equipes de resgate, que na terça-feira, 30, suspenderam as operações pelas condições meteorológicas e o temor de uma nova erupção, procuravam nesta quarta-feira, 1, os desaparecidos, mas vários corpos podem estar perto de uma cratera ou em locais de difícil acesso.

Os oficiais utilizavam capacetes, máscaras e outros equipamentos.

As autoridades não divulgaram um balanço de desaparecidos, mas o canal Nippon TV informou que as buscas prosseguem no monte Ontake.

A prefeitura de Nagano informou à AFP que abriu uma investigação "para determinar o número de indivíduos sobre os quais não se têm notícias".

A erupção também deixou 69 feridos.

No sábado, 27, no momento da erupção do Ontake, de 3.067 metros de altitude, quase 300 pessoas estavam a caminho do topo.

AFP

TAGS