PUBLICIDADE
Notícias

Israel mata palestino que atirou contra ativista judeu

08:40 | 30/10/2014
A polícia de Israel matou um palestino acusado de atirar contra um ativista judeu em Jerusalém, em mais um incidente entre que inflamou os habitantes da cidade e terminou em confronto entre os integrantes das etnias.

Identificado como Moatez Higazi, um militante islâmico recém-libertado da prisão, a vítima visitou um dos lugares sagrados da cidade, conhecido pelos judeus como Monte do Templo e pelos muçulmanos como Nobre Santuário, na noite da quarta-feira. O atirador então se aproximou de Yehuda Glick, falou com ele e depois disparou três tiros e fugiu.

Segundo o porta-voz da polícia, Mickey Rosenfeld, os agentes localizaram Higazi e o cercaram em uma casa no bairro de Abu Tor. O islâmico teria atirado contra os policiais que, em retaliação, acabaram matando o suspeito. Em protesto, os palestinos da região começaram a atacar os oficiais com pedras e deram início ao confronto. Para controlar a multidão, Rosenfeld diz que foram utilizadas balas de borracha e o acesso ao bairro passou a ser controlado.

Glick é um ativista norte-americano conhecido por ser "linha dura" e defender o acesso dos judeus ao local sagrado em que foi baleado. Ele permanece internado no hospital em estado grave. Em uma entrevista à Associated Press nesta semana, Glick afirmou que o número de ataques de palestinos a judeus na cidade estava aumentando. "As organizações islâmicas mais extremas estão tomando conta e, se não os pararmos o quanto antes, eles irão tomar Jerusalém", disse.

Judeus e palestinos que vivem na cidade estão em clima de tensão desde o fim da guerra na faixa de Gaza. Os representantes de ambas etnias defendem seu acesso ao local sagrado, embora o governo israelense alegue não fazer distinção entre as pessoas que vão ao monte. Nesta quinta-feira, para evitar novos conflitos, a polícia decidiu fechar o local pela primeira vez. Fonte: Associated Press.

TAGS