PUBLICIDADE
Notícias

Estudantes em greve protestam diante da sede do governo de Hong Kong

Centenas de estudantes se reuniram diante do gabinete do chefe do Executivo, do conselho legislativo e dos principais ministérios da região autônoma sob administração chinesa

08:18 | 23/09/2014

O chefe do Executivo de Hong Kong sofreu nesta terça-feira, 23, uma tentativa de cerco de estudantes em greve, que protestaram diante da sede do governo contra a decisão de Pequim de limitar o alcance do sufrágio universal.

Centenas de estudantes do movimento pró-democracia se reuniram diante do gabinete do chefe do Executivo, do conselho legislativo e dos principais ministérios da região autônoma sob administração chinesa, no bairro portuário.

Na segunda-feira, 22, 13.000 estudantes, segundo os organizadores, faltaram as aulas no primeiro dia de uma semana de boicote nas universidades.

A China, que recuperou Hong Kong em 1997, anunciou em agosto que o futuro chefe do Executivo local será eleito por sufrágio universal a partir de 2017, mas que apenas dois ou três candidatos selecionados por um comitê poderão disputar a votação.

Uma coalizão de movimentos pró-democracia, liderada pelo grupo Occupy Central, organiza uma campanha desde então para denunciar o que muitos cidadãos do território consideram um controle cada vez maior de Pequim sobre as questões locais.

Dez estudantes tentaram cercar nesta terça-feira, 23, o chefe do Executivo da ex-colônia britânica, Leung Chun-ying, quando ele deixava o gabinete após uma entrevista coletiva.
Mas o serviço de segurança conseguiu manter os estudantes à distância.

"Isto é uma advertência. Vocês já perturbaram gravemente a ordem pública", afirmou um policial no alto-falante.
"Hong Kong nos pertence", gritaram os manifestantes como resposta.

Os estudantes esperam fortalecer o movimento democrático, apesar do líderes da campanha terem reconhecido recentemente que não existe a probabilidade de obter um recuo da China.
Vários dissidentes chineses, incluindo o ativista Hu Jia, pediram a intervenção da comunidade internacional.

"Enquanto as manifestações se intensificam contra a violação por parte de Pequim de sua promessa de autorizar o sufrágio universal, existe um risco de que o tristemente célebre massacre da Praça Tiananmen (Paz Celestial) se repita em Hong Kong", escreveram em um texto publicado no Wall Street Journal.

"Estados Unidos e a comunidade internacional têm a responsabilidade de evitar um novo massacre", completa o artigo.

AFP

TAGS