PUBLICIDADE
Notícias

Arqueólogos encontram restos das câmeras de gás de Sobibor

16:38 | 20/09/2014
Após quase uma década de pesquisas, arqueólogos poloneses e israelenses achavam vestígios das câmaras de gás do campo de extermínio de Sobibor. Em entrevista à DW, historiador alemão explica a importância da descoberta. Após anos de pesquisa, arqueólogos poloneses e israelenses descobriram os restos das câmaras de gás do campo de extermínio de Sobibor, no sudeste polonês. "Depois de oito anos, chegamos à reta final", disse o arqueólogo israelense Yoram Haimi. O historiador polonês Tomasz Kranz, diretor do memorial do campo de concentração de Majdanek, chamou de histórica a descoberta, anunciada na última quarta-feira (17/09). Diferentemente do campo de concentração de Ausschwitz-Birkenau, Sobibor era um mero campo de extermínio. Entre 1942 e 1943, mais de 250 mil pessoas foram mortas ali. Após uma rebelião em 1943, os nazistas destruíram todos os vestígios do campo, para apagar as pistas de seus crimes. Em entrevista à Deutsche Welle, o historiador Wolfgang Benz falou da importância da atual descoberta, explicando que a destruição dos vestígios foi extremamente rigorosa, o que dificultou o descobrimento dos fundamentos das câmaras de gás. Benz foi diretor do Centro de Pesquisa sobre Antissemitismo na Universidade Técnica de Berlim até 2011. Deutsche Welle: Que espécie de lugar era Sobibor e o que foi encontrado ali agora? Wolfgang Benz: Sobibor era um campo de extermínio, ou seja, não era um campo de concentração. Quem ali chegava era assassinado imediatamente, sem grandes demoras. Somente um pequeno número, no máximo algumas centenas de judeus, permaneceu ali por mais tempo, como trabalhadores escravos, necessários para o extermínio. Ali foram encontrados fundações das câmaras de gás, que há muito tempo não eram mais visíveis. Por que isso foi encontrado só agora? Em 14 de outubro de 1943, houve em Sobibor uma revolta dos prisioneiros. Cerca de 300 conseguiram fugir, mas a maioria não sobreviveu. Após essa rebelião, Heinrich Himmler, o chefe de todos os campos de concentração, ordenou a remoção de todos os vestígios e a destruição completa de Sobibor. Isso foi executado com grande rigor e, em dezembro do mesmo ano, os últimos soldados da SS se retiraram do local, após ter matado os trabalhadores escravos judeus que haviam sobrevivido. A remoção dos vestígios foi executada com um rigor extraordinário. Mas isso não impediu que, após 1945, saqueadores de túmulos e ladrões tenham sistematicamente vasculhado os campos de extermínio de Sobibor, Treblinka e Belzec, à procura de tesouros e pertences das vítimas. Depois a natureza tomou conta do terreno. O vilarejo de Sobibor é extremamente isolado, na fronteira entre a Polônia e a Bielorrússia. Durante décadas, ninguém mais se interessou pelo que restou daquele campo. Qual a importância da descoberta das fundações? Sobibor está entre os campos de extermínio mais bem pesquisados do período nazista. Graças à pesquisa histórica e ao testemunho de sobreviventes, estamos muito bem informados sobre o que aconteceu ali. Isso significa que a descoberta das fundações das câmaras de gás tem, em primeira linha, um caráter emocional. O fato de ali haver sinais visíveis serve à memória. Agora, Sobibor pode ser elevado ao status de memorial, onde os visitantes também podem ver algo. Até então, ele não parecia mais do que um pedaço de floresta, no qual se encontra uma barraca e, a alguma distância, uma estação ferroviária, onde chegavam os condenados à morte. A descoberta foi uma ação que agrega a memória caracteres táteis, mas não traz novidades ao que aconteceu em Sobibor e à finalidade de sua construção. O que vai acontecer agora à descoberta? Isso não deve ser perguntado a um historiador, mas àqueles capazes de financiar um memorial adequado para este lugar, onde 250 mil pessoas foram assassinadas, como já existe em Belzec e Treblinka.

TAGS