PUBLICIDADE
Notícias

Prefeito de Berlim anuncia renúncia ao cargo após 13 anos

15:44 | 26/08/2014
Símbolo da renovação na capital alemã, Klaus Wowereit, primeiro político do país a assumir abertamente ser homossexual, diz que deixará o posto em dezembro. Ele ainda tinha mais dois anos de mandato. Após 13 anos como prefeito de Berlim, Klaus Wowereit anunciou nesta terça-feira (26/08) que renunciará ao cargo e que deixará a vida política no fim deste ano. "Foi uma decisão voluntária", declarou o político do Partido Social-Democrata (SPD), que estipulou ainda a data exata de sua despedida: 11 de dezembro. Segundo Wowereit, de 60 anos, a decisão, dois anos antes do término do seu mandato, não foi fácil. Ele se disse, porém, orgulhoso de sua contribuição para o desenvolvimento da capital alemã. O presidente do SPD, Sigmar Gabriel, enalteceu os serviços prestados por Wowereit. "Temos que agradecer a Klaus Wowereit por Berlim ser hoje uma metrópole atrativa, cosmopolita e tolerante, e que também está estável no quesito econômico", disse. Além do cargo político, Wowereit vai deixar também a presidência do conselho fiscal do Aeroporto Internacional de Berlim. Eleito pela primeira vez em 2001, Wowereit vinha enfrentando queda em sua popularidade recentemente. Especialmente devido ao fiasco político e econômico envolvendo a construção do Aeroporto de Berlim-Brandeburgo (BER), que arranhou sua reputação. Wowereit havia declarado que o projeto era o mais importante de sua gestão. Mas a inauguração do aeroporto foi adiada inúmeras vezes e uma nova data ainda não foi divulgada. "Os constantes adiamentos foram uma derrota amarga, que dói até hoje", admitiu o prefeito. Carismático, Wowereit foi o primeiro político alemão a declarar-se abertamente gay e se tornou símbolo de uma Berlim jovem e cosmopolita, "uma cidade pobre, mas sexy", como definiu em sua frase mais famosa. Graças a suas reeleições em 2005 e 2011, se tornou o chefe de governo mais tempo à frente de um estado alemão e chegou a ser cotado para concorrer ao posto de chanceler federal pelo SPD. Seu provável substituto é Jan Stöss, chefe do partido na cidade-estado. A oposição pede novas eleições. PV/dpa/rtr

TAGS