PUBLICIDADE
Notícias

Setor energético dos EUA pode prejudicar democratas

21:55 | 01/06/2014
A proposta da administração de Barack Obama para forçar as usinas dos Estados Unidos a reduzir as emissões de carbono está se tornando uma questão explosiva nos debates envolvendo campanhas de reeleição no Senado e da Câmara dos Representantes. Isso pode ser perigoso para os democratas em Estados produtores de energia.

A proposta preliminar, que será revelada amanhã pela Agência de Proteção Ambiental (EPA, na sigla em inglês), afetará centenas de usinas de energia que usam combustível fóssil. A lei deve desencadear ações judiciais de Estados e da indústria, assim como tentativas de republicanos e outros oponentes de elaborar uma resposta legislativa.

Para Obama, a regra é a peça central dos esforços para combater o aquecimento global, e seria um importante legado de seu segundo mandato. O presidente deve se manter fora dos holofotes durante o anúncio da EPA, mas pretende participar de uma teleconferência com a Associação Americana do Pulmão, destacando a importância da lei para a saúde pública.

Mas a legislação dividiu o próprio partido de Obama e poderia dar munição aos republicanos, que têm grande chance de acabar com a maioria democrata no Senado. O representante Nick Rahall, da Virgínia Ocidental, que está entre os democratas mais vulneráveis que buscam a reeleição, disse que o impacto da regra sobre os membros do partido que vêm de Estados produtores de carvão não é prioridade na Casa Branca. "Tenho certeza de que isso não é a prioridade. Provavelmente, o legado do presidente é a preocupação número um", disse Rahall, que se opõe a restrições adicionais sobre usinas termelétricas que usam carvão.

A mensagem republicana é a mesma em todo o país: os democratas vão elevar os custos de energia e acabar com postos de trabalho, e as restrições são fúteis na ausência de ação semelhante por parte da China e de outras grandes nações poluidoras.

Embora os democratas sejam mais incisivos em suas críticas a mudanças climáticas causadas pelo homem, alguns candidatos têm receio de apoiar o plano do governo. As candidatas democratas ao Senado Natalie Tennant, de Virgínia Ocidental, e Alison Grimes Lundergan, de Kentucky, pretendem passar a semana demonstrando seu apoio ao setor de carvão. "Vou lutar contra o presidente Obama e qualquer outra pessoa que tente reduzir os empregos no setor de carvão", disse Tennant em comunicado. Fonte: Dow Jones Newswires.

TAGS