PUBLICIDADE
Notícias

Observadores da OSCE continuam desaparecidos no leste da Ucrânia

07:03 | 28/05/2014
Organização perdeu contato com enviados especiais há dois dias e avalia retirar funcionários do país. Após combates no aeroporto, Donetsk amanheceu com as ruas desertas. Ainda não há sinal dos quatro observadores da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) desaparecidos em meio aos conflitos no leste da Ucrânia há dois dias, declarou o enviado especial alemão da OSCE, Wolfgang Ischinger, na manhã desta quarta-feira (28/05). "Não sabemos exatamente onde eles estão. Supomos que estejam nas mãos de um dos grupos separatistas", disse Ischinger em entrevista à emissora alemã de televisão ZDF. O ministro dinamarquês do Comércio e Desenvolvimento, Mogens Jensen, também havia afirmado que o grupo foi detido por forças pró-Rússia. Segundo informações da própria OSCE, a organização perdeu o contato com os quatro funcionários da Dinamarca, Estônia, Suíça e Turquia nesta segunda-feira à noite. Eles faziam uma patrulha de rotina na região de Donetsk e foram detidos num posto de controle. Desde então, não há informações sobre o paradeiro dos observadores. Nesta terça-feira, a OSCE havia dito estar em contato com o governo e as autoridades regionais para localizar o grupo. Para Ischinger, se o país oferecer perigo constante aos observadores da OSCE, seria necessário pensar numa retirada. O incidente não é o primeiro deste tipo. Há cerca de um mês, outros sete integrantes da OSCE haviam sido capturados por milícias pró-Rússia e detidos na cidade de Slaviansk, também no leste da Ucrânia. A missão conta atualmente com 210 membros não armados, com a função de se reunirem com as autoridades locais e nacionais, bem como com grupos étnicos e religiosos e organizações não governamentais. A operação foi aprovada por todos os Estados da OSCE inclusive a Rússia, que não autorizou, porém, o deslocamento para a Crimeia, anexada por Moscou no início de março. Cidade-fantasma Donetsk amanheceu com a aparência de uma cidade-fantasma nesta quarta-feira, com lojas fechadas e ruas desertas após dois dias de combates com separatistas, que ocuparam o aeroporto local nesta segunda-feira. O aeroporto internacional Sergei Prokofiev, o segundo maior do país, teve sua fachada de vidro destruída depois de o Exército ucraniano ter atacado os mais de cem militantes pró-Rússia com aviões e helicópteros. O aeroporto permanece fechado, sem previsão de reabrir. Nesta terça-feira, as autoridades ucranianas haviam declarado ter retomado o controle do aeroporto. Mais de 40 pessoas morreram nos combates, incluindo dois civis. Trata-se da maior operação militar desde o início da insurgência pró-russa na região, no início de abril, que já deixou cerca de 200 mortos. Tropas russas A Rússia já retirou milhares de soldados que havia enviado para áreas de fronteira com a Ucrânia, mas dezenas de milhares permanecem no local, disse um oficial da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) nesta quarta-feira. "No momento, grande parte das forças russas enviadas anteriormente permanece nas proximidades da fronteira e continua hábil para realizar operações", disse o oficial, que não quis se identificar. LPF/dpa/afp/lusa

TAGS