PUBLICIDADE
Notícias

Ex-ministro Abdullah lidera em eleição afegã

13:40 | 20/04/2014
A liderança do ex-ministro de Relações Exteriores Abdullah Abdullah cresceu levemente nos resultados parciais das eleições presidenciais divulgados neste domingo. Ainda assim, ele e o rival Ashraf Ghani Ahmadzai rumam para uma disputa de segundo turno no próximo mês.

O vencedor irá suceder Hamid Karzai, o único presidente que o país conheceu desde que a invasão liderada em 2001 pelos Estados Unidos afastou o Taleban. O novo líder do país enfrentará um período tenso logo no início de seu governo, uma vez que os EUA e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) devem retirar a maior parte de suas tropas do país até o final do ano.

Os últimos números mostram que Abdullah tem 44% dos votos contados até o momento. Ahmadzai, ex-ministro de Finanças e membro do Banco Mundial, recebeu 33,2% dos votos. Zalmai Rassoul, outro ex-ministro de Relações Exteriores, tem 10,4% até agora. Os resultados finais não devem ser tornados públicos antes do dia 14 de maio.

Tanto Abdullah quanto Ahmadzai prometeram um novo começo com o Ocidente e esperam avançar na direção de um acordo de segurança com os Estados Unidos, o qual Karzai se recusou a assinar. Esse pacto permitiria que uma pequena força de soldados norte-americanos permanecessem no país para treinar policiais e militares afegãos contra o Taleban.

Os resultados parciais das eleições anunciados neste domingo pelo presidente da Comissão Eleitoral Independente, Ahmad Yousuf Nouristani, representam cerca de metade das 7 milhões de urnas utilizadas na votação de 5 de abril.

Após o anúncio, Abdullah disse que ainda considera possível alcançar mais de 50% dos votos para evitar um segundo turno. "Vamos aceitar os resultados de um processo transparente e justo", disse. "Se houver segundo turno conforme a lei, estaremos preparados também", acrescentou. Já o porta-voz da campanha de Ahmadzai declarou que os resultados até o momento não representam áreas nas quais o candidato tem maior apoio. Fonte: Associated Press.

TAGS