PUBLICIDADE
Notícias

Coreia do Sul: Voluntários auxiliam famílias de vítimas

17:35 | 28/04/2014
Uma mãe, levemente embriagada, senta-se na beira de um cais, tomado por vento e por lamentos. Um monge budista se aproxima e enxuga as lágrimas de seu rosto enquanto ela derrama sua dor e saudade de seu filho desaparecido. Ele a leva para longe da beira do cais e, enquanto ela chora, entoa escrituras budistas e soa um gongo de madeira em uma oração pelo retorno de seu filho.

"Eles estão realmente sofrendo", disse o monge Bul I, que foi para a cidade portuária de Busan para ajudar as famílias de mais de 100 pessoas ainda desaparecidas por causa do naufrágio do ferry Sewol. "É doloroso ver o seu sofrimento", afirmou, o rosto descascando e vermelho de longos cânticos em uma plataforma de frente para o mar. Bul Il é um membro de uma cidade improvisada que surgiu neste normalmente sonolento porto para abrigar as famílias dos mortos e desaparecidos do desastre. A cidade funciona pela bondade de estranhos.

Um sentimento de luto nacional sobre uma tragédia que provavelmente resultará em mais de 300 mortes, a maioria de estudantes do ensino médio, atraiu uma onda de voluntários. Mais de 16 mil pessoas - cerca de metade da população normal da ilha - chegou para ajudar.

Eles gerenciam a maior parte do cuidado que os parentes dos desaparecidos recebem em Jindo enquanto esperam os mergulhadores recuperarem os corpos de seus entes queridos dos destroços da embarcação.

Alguns voluntários limpam banheiros no ginásio onde as famílias dormem, mantendo o conforto praticamente impecável. Um homem anda com uma placa enorme que diz "Eu posso lavar roupa para você". Eles cozinham enormes potes de sopa kimchi quente, distribuem cobertores, toalhas e produtos de higiene pessoal, recolhem o lixo e varrem o chão. Voluntários turcos oferecem kebabs, transformando-os em espetos. Um caminhão distribui tofu caseiro, outro entrega pizza.

Motoristas de táxi de Ansan, estudavam mais de 80% dos mortos e desaparecidos, dão caronas para e de Jindo, que fica a um trajeto de mais de quatro horas, que normalmente custaria 280 mil wons (US$ 270). "É hora de ajudar aqueles que estão de luto. Perder vários dias de trabalho não é nada", disse o motorista Ahn Dae-soo.

Lim Jang-young, de 58 anos, proprietário de um restaurante japonês, veio a Jindo do sul da cidade de Daejeon para cozinhar sopa de carne tradicional para os membros das famílias, outros voluntários e jornalistas. Ele temporariamente fechou seu restaurante para ir ajudar, porque disse que não pode se concentrar em seu negócio enquanto se preocupa com as vítimas e suas famílias. Um homem que estava comendo sua sopa mostrou a ele uma foto de uma menina, sua filha, e começou a chorar. "Eu não pude resistir a chorar com ele", disse Lim, pai de três filhos.

Centenas de pessoas, muitas de grupos de ajuda, empresas privadas, igrejas e outras organizações, a maioria vestindo roupas verdes e azuis, atravessam as vias formadas por barracas brancas perto do porto e ginásio de Paengmok na ilha, oferecendo sopa, kimchi, arroz, hambúrgueres, serviços de táxi, carregamento de bateria de celular, serviços de lavanderia, medicina, bebidas energéticas, ajuda psiquiátrica e artigos de necessidade diária, como roupas íntimas, meias, cortadores de unhas, cotonetes e escovas de dente.

Park Seung-ki, um porta-voz da força-tarefa do governo, disse no domingo que mais de 16.200 pessoas vieram por conta própria ou com cerca de 730 organizações. Cerca de 690 mil itens de ajuda, como alimentos, água mineral, cobertores e roupas também chegaram a Jindo desde o naufrágio, disse Park.

Ahn, o motorista de táxi, disse que a palavra "coração pesado" não é suficiente para descrever como é levar para casa os pais que acabaram de identificar o corpo de seu filho. "Nas cinco horas de condução, há um silêncio completo", afirmou. "Quem pode dizer qualquer coisa nessa situação?"

Uma conhecida psiquiatra, Jung Hye-shin, veio a Jindo para ajudar a aconselhar as famílias, mas ela disse aos seus cerca de 150 mil seguidores no Twitter que não falou com nenhum familiar, porque eles não estavam prontos para qualquer tratamento. Mas ela observou os voluntários em Jindo. "Os voluntários da funerária católica foram limpando os dedos das mãos e dos pés dos jovens, sempre muito gentil e cuidadosamente, como se estivessem banhando um bebê", ela tuitou, sobre o trabalho de limpar cadáveres. "No final, eles ficaram bonitos de novo. Estou feliz por eles encontraram adultos a quem podem ser gratos antes de deixar este mundo." Fonte: Associated Press.

TAGS