PUBLICIDADE
Notícias

Buscas por avião desaparecido são intensificadas

08:30 | 30/03/2014
As buscas pelo avião desaparecido da Malaysia Airlines foram intensificadas neste domingo, 30, 22 dias após ter desaparecido com 239 pessoas a bordo, enquanto as famílias dos passageiros chineses chegam à Malásia exigindo respostas.

Oito navios e dez aeronaves de seis países rastreiam uma grande extensão do Oceano Índico, ao largo da costa australiana, à procura de possíveis destroços do Boeing 777 da companhia aérea malaia.

Enquanto os trabalhos de busca são retomados a 1.850 km a oeste de Perth (oeste da Austrália), este país anunciou que o ex-chefe de suas Forças Armadas, Angus Houston, passará a conduzir uma nova unidade para auxiliar nas operações em que militares de sete países estão envolvidos: Austrália, China, Malásia, Japão, Nova Zelândia, Coreia do Sul e Estados Unidos.

O primeiro-ministro australiano, Tony Abbott, indicou que Houston dirigirá o novo Centro Conjunto de Coordenação de Agências com sede em Perth.
Houston coordenará os contatos diplomáticos, muitas vezes delicados, entre os envolvidos nas buscas, e irá assegurar que as famílias recebam todas as informações e a assistência necessária.

Cerca de 75% dos passageiros do voo eram chineses, e seus entes queridos se queixam amargamente sobre o que eles consideram como uma condução secreta e incompetente das autoridades da Malásia das investigações.

Trinta e nove familiares de passageiros chineses chegaram neste domingo à Malásia para pressionar as autoridades.

Os familiares estão particularmente indignados após o anúncio, no dia 25 de março pelo primeiro-ministro da Malásia Najib Razak, de que, baseado em uma análise britânica detalhada de informações recebidas por satélites e outras fontes, o avião caiu no Oceano Índico.

Algumas famílias desesperadas se recusam a aceitar essa informação até que os destroços do Boeing sejam encontrados.

"Você poderia nos dizer exatamente em quais países o avião poderia ter aterrissado?", gritou um homem durante uma coletiva de imprensa no sábado para as famílias em Pequim.

Abbott indicou que o governo australiano "não irá descansar até que tenhamos feito tudo o que razoavelmente podemos fazer para dar a essas famílias e à comunidade internacional mais paz e um pouco mais de entendimento sobre o que exatamente aconteceu".

Um navio australiano transportando equipamentos fornecidos pelos Estados Unidos para localizar as "caixas-pretas" do avião, que registram os detalhes do voo, deve deixar Perth neste domingo, 30.

Duas aeronaves Hércules C-130 da Malásia estão preparadas para participar das operações pela primeira vez.

"Até que os objetos sejam recolhidos por um barco e examinados por especialistas, não podemos tirar conclusões sobre a sua origem", disse Kevin Curto, marechal da Força Aérea, em referência aos mais de 300 objetos flutuantes detectados por satélites de vários países nos últimos dias.

As buscas pelos destroços do Boeing 777-200 da Malaysia Airlines foram retomadas na sexta-feira em uma nova zona após a revisão de cálculos da trajetória do voo.

No entanto, os objetos avistados por aviões chineses, australianos e neozelandeses não pertenciam ao avião, o que provocou muita frustração entre os familiares.

No dia 8 de março, o Boeing 777 saiu da rota prevista uma hora depois de decolar, às 00h41 (13h41 de sexta-feira no horário de Brasília) de Kuala Lumpur com destino a Pequim e prosseguiu com o voo por milhares de quilômetros em direção ao sul, antes de cair no mar, provavelmente por falta de combustível.

A Malásia anunciou oficialmente em 25 de março que o voo MH370 havia "caído no sul do oceano Índico", sem que nenhum objeto tenha sido recuperado para confirmar a informação.

AFP

TAGS