PUBLICIDADE
Notícias

Mistura de drogas matou o ator Philip Seymour Hoffman

19:19 | 28/02/2014
A morte do ator americano Philip Seymour Hoffman, de 46, foi causada por intoxicação devido a uma mistura de drogas, incluindo heroína, cocaína e anfetaminas, anunciou nesta sexta-feira o escritório do médico legista de Nova York.

O ator, ganhador de um Oscar por sua interpretação de Truman Capote, foi encontrado morto em sua casa em Manhattan com uma agulha ainda no braço no dia 2 de fevereiro. Em seu apartamento em Greenwich Village, a polícia encontrou mais de 50 saquinhos de heroína, seringas e medicamentos.

"Causa da morte: intoxicação aguda devido a uma mistura de drogas, que inclui heroína, cocaína, benzodiazepinas (ansiolíticos) e anfetaminas", declarou o porta-voz do médico legista em um curto comunicado.

As benzodiazepinas são medicamentos psicotrópicos utilizados especialmente no tratamento da ansiedade e da insônia.

Seymour Hoffman reconheceu ter tido graves problemas com drogas e álcool na juventude, mas passou por tratamentos de desintoxicação. Depois de ficar 23 anos sem problemas, teve uma recaída em 2012. No ano passado, submeteu-se a dez dias de desintoxicação.

Hoffman era um dos atores mais prestigiados em Hollywood e um dos queridinhos do cinema independente. Sua morte causou grande comoção nos Estados Unidos.

Sua atuação no papel de Scotty J., no filme "Boogie Nights - Prazer sem Limites", de 1997, o lançou à fama. Nove anos depois, conquistou o Oscar de melhor ator ao personificar o escritor Truman Capote, papel que também lhe rendeu o Globo de Ouro.

Foi indicado outras três vezes pela Academia como ator coadjuvante por "Jogos do poder" (2008), "Dúvida" (2009) e por um de seus últimos filmes, "O Mestre" (2013).

No thriller criminal de Anthony Minghella, "O Talentoso Ripley", Hoffman roubou a cena dos astros Matt Damon, Jude Law e Gwyneth Paltrow no papel coadjuvante do escorregadio e esnobe Freddie Miles.

Ele também atuou como o jornalista especializado em música Lester Bangs de "Quase Famosos" (2000), de Cameron Crowe, e teve papéis relevantes em "Magnólia" (1999), de Paul Thomas Anderson, estrelado por Tom Cruise; "Ninguém é Perfeito" (1999), de Joel Shcumacher, no qual interpretou uma "drag queen" melodramática, personagem oposto ao de Robert De Niro; e em filmes de grande orçamento, como o vencedor do Oscar "Cold Mountain" (2003), também de Minghella.

Seymour Hoffman deixou três filhos.

AFP

TAGS