PUBLICIDADE
Notícias

Dezessete mortos no Paquistão em ataque de drones

Os drones sobrevoaram o grande bazar de Miranshah horas antes do ataque, segundo testemunhas

06:30 | 03/07/2013

ISLAMABAD, 03 Jul 2013 (AFP) - Dezessete supostos insurgentes islamitas morreram nesta quarta-feira em um ataque executados por drones (avião teleguiado) em uma zona tribal do noroeste do Paquistão.

Entre as vítimas do bombardeio, um dos mais violentos executados por um avião teleguiado americano nos últimos anos no Paquistão, estão talibãs afegãos e paquistaneses, segundo as forças de segurança locais.

Vários drones dispararam quatro mísseis contra um edifício próximo a um mercado de Miranshah, a principal cidade do Waziristão do Norte, um distrito tribal considerado o principal reduto dos talibãs paquistaneses e de seus aliados da Al-Qaeda.

A área também é considerada uma importante retaguarda dos talibãs afegãos que lutam contra o governo de Cabul e da Otan do outro lado da fronteira.

Não é comum que os ataques de drones tenham como alvo uma área urbana, já que normalmente destroem casas isoladas ou veículos utilizados pelos rebeldes.

Os drones sobrevoaram o grande bazar de Miranshah horas antes do ataque, segundo testemunhas.

"Quatro drones sobrevoavam a área no momento do ataque e dois deles dispararam quatro mísseis contra um prédio, matando quatro insurgentes e ferindo dois", afirmou inicialmente uma fonte do governo local à AFP.

"O balanço subiu a 17 mortos", declarou a mesma fonte à AFP horas mais tarde.

Até o momento o balanço não foi confirmado por uma fonte independente.

Segundo os serviços de segurança da região, os drones bombardearam locais utilizados pela rede Haqani, uma facção dos talibãs afegãos que Washington acusa de ter executado alguns dos mais violentos ataque contra as forças afegãs e da Otan nos últimos anos no Afeganistão.

Este é o segundo ataque de drones americanos no Paquistão desde que o primeiro-ministro Nawaz Sharif pediu, em nome da soberania nacional, o fim dos bombardeios ao assumir o cargo em junho.

TAGS