PUBLICIDADE
Notícias

Não há vínculo entre remédios para hiperatividade e uso de drogas

17:44 | 29/05/2013
Crianças com transtorno de hiperatividade e déficit de atenção (TDAH) que tomam remédios estimulantes não correm um risco maior de abuso de substâncias quando forem maiores, em comparação com outras sem tratamento para o mesmo distúrbio, revelou um estudo publicado esta quarta-feira, 29.

As descobertas, publicadas no Jornal da Associação Médica Americana (JAMA) Psychiatry, se basearam em uma meta-análise de 15 estudos prévios, realizados entre 1980 e 2012, e incluíram mais de 2.500 participantes com TDAH, alguns dos quais tiveram prescrita medicação e alguns, não. Cientistas da Universidade da Califórnia afirmaram ter descoberto que crianças que tomavam remédios como a Ritalina não foram nem mais nem menos propensas a experimentar ou abusar de álcool, nicotina ou outras drogas em comparação com crianças com TDAH sem tratamento.

"Nós não encontramos associação entre o uso de medicamentos como a Ritalina e o abuso futuro de álcool, nicotina, maconha e cocaína", afirmou a principal autora do estudo, Kathryn Humphreys, doutoranda do Departamento de Psicologia da UCLA. Como resultado, os cientistas disseram que seu trabalho fornece "uma atualização importante" ao campo de conhecimento de abuso de drogas e medicamentos contra o TDAH.

O uso de medicação estimulante para tratar o TDAH está em ascensão, mas permanece controverso, devido a preocupações de que a prática possa aumentar o risco de dependência e abuso no futuro para usuários jovens. Acredita-se que o distúrbio ocorra entre 5% e 10% das crianças americanas. Uma análise recente de dados do governo americano, feita pelo jornal The New York Times, revelou que um em cada cinco meninos adolescentes é diagnosticado com o transtorno.

A idade média das crianças estudadas foi de oito anos quando a pesquisa começou e a avaliação de acompanhamento mais recente foi realizada aos 20 anos. Os pacientes acompanhados eram procedentes dos estados americanos de Califórnia, Nova York, Michigan, Pensilvânia e Massachusetts, além de Alemanha e Canadá.

AFP

TAGS