PUBLICIDADE
Notícias

Namorado de estudante estuprada na Índia relata agressão

"O que posso dizer? A crueldade que eu vi não deveria ser vista nunca mais"

08:01 | 05/01/2013
O caso dos supostos autores do estupro coletivo de uma estudante em Nova Délhi pode passar neste sábado a outro tribunal com poderes para realizar um procedimento rápido, enquanto o namorado da vítima, testemunha da agressão, declarou pela primeira vez que não pôde salvá-la.

A jovem de 23 anos morreu no dia 29 de dezembro em um hospital de Cingapura depois de lutar durante 13 dias entre a vida e a morte.

Seis suspeitos foram presos e a polícia acusou formalmente cinco homens, de 19 a 35 anos, de sequestro, estupro e assassinato durante uma primeira audiência, na última quinta-feira, perante o tribunal do distrito de Saket, no sul da capital.

Um sexto suposto autor, que alega ser menor de idade, foi submetido a exames ósseos para verificar que realmente tem 17 anos, antes de ser levado a um tribunal de menores.

O tribunal de Saket realizaria neste sábado uma segunda audiência para transferir o caso a um tribunal que permita um processo rápido.

Este caso comoveu profundamente o país, provocando diversas manifestações exigindo que as mulheres sejam mais protegidas em uma sociedade terrivelmente machista.

O namorado da vítima, um engenheiro informático de 28 anos, saiu pela primeira vez de seu silêncio na sexta-feira.

Em uma entrevista concedida à AFP, relatou a "crueldade" dos agressores e sua dor por não poder salvá-la.

"O que posso dizer? A crueldade que eu vi não deveria ser vista nunca mais. Tentei lutar contra os homens, mas depois supliquei várias vezes que a deixassem", declarou por telefone de Gorajpur, uma cidade de Utar Pradesh (norte), onde vivem seus pais.

Depois de sair de um cinema e de tentar, sem sucesso, pegar um riquixá, os dois jovens embarcaram em um ônibus normalmente utilizado para levar alunos, mas que estava ocupado por um grupo de homens que tomaram o veículo para um "passeio noturno".

Uma vez no interior, ele foi agredido, enquanto sua namorada foi estuprada repetidamente e agredida sexualmente com uma barra de ferro oxidada, e depois lançada nua para fora do ônibus.

A polícia iniciou neste sábado um processo contra uma rede de televisão por ter divulgado uma entrevista com o namorado da vítima, afirmando que a identidade da jovem poderia ser conhecida após este testemunho. A lei indiana estipula que as vítimas de um estupro devem ser protegidas pelo anonimato.
AFP

TAGS