PUBLICIDADE
Notícias

Executivo do Google chega à Coreia do Norte

12:27 | 07/01/2013
O presidente do conselho do Google, Eric Schmidt, chegou nesta segunda-feira à Coreia do Norte. Segundo integrantes de sua delegação, ele quer avaliar a economia e as mídias sociais do país durante sua visita, que é alvo de fortes críticas do governo norte-americano.

Schmidt, que faz parte da diretoria de uma das maiores empresas de internet do mundo, é o mais alto executivo norte-americano a visitar a Coreia do Norte - um país notoriamente conhecido por suas políticas restritivas sobre internet - desde que Kim Jong Un assumiu o poder, um ano atrás. Sua visita atraiu críticas do Departamento de Estado porque ocorre apenas algumas semanas após o lançamento de um foguete norte-coreano. Há também especulações sobre o que o empresário espera conseguir com sua viagem.

O executivo chegou ao país num voo comercial da Air China na companhia do ex-governador do Novo México,

Bill Richardson, que já viajou várias vezes para a Coreia do Norte nos últimos 20 anos.

Em Pequim, Richardson, disse que a viagem era uma missão humanitária privada. "Esta não é uma viagem do Google, mas eu tenho certeza de que ele está interessado em algumas questões econômicas, em aspectos da mídia social. É por isso que nos unimos", afirmou Richardson, sem explicar o que quis dizer com "aspectos da mídia social".

"Vamos nos encontrar com líderes políticos norte-coreanos. Vamos nos reunir com líderes econômicos e militares, vamos visitar algumas universidades. Não controlamos a visita, eles vão nos mostrar a programação quando chegarmos lá", afirmou ele.

"Nós achamos que o período da visita não ajuda e eles estão bastante cientes sobre o que pensamos", afirmou a porta-voz do Departamento de Estado, Victoria Nuland, aos jornalistas na semana passada.

A viagem foi planejada muito antes de a Coreia do Norte anunciar seu projeto de enviar um satélite para o espaço, afirmaram duas pessoas com conhecimento dos planos da delegação.

Schmidt, forte defensor da conectividade e da abertura da internet, deve fazer uma doação durante a visita, enquanto Richardson deve tentar discutir a detenção de um cidadão norte-americano, segundo integrantes da delegação, que pediram anonimato.

"Vamos tentar saber seu estado, tentar vê-lo, possivelmente estabelecer as bases para ele voltar para casa", disse Richardson a respeito do cidadão norte-americano. "Seu filho, que vive no Estado de Washington, me pediu que o leve de volta. Duvido que possamos fazer isso nesta viagem."

Nos últimos anos, a Coreia do Norte tem tentado modernizar suas fazendas e digitalizar suas fábricas. O uso de computadores e telefones celulares está crescendo nas cidades maiores do país.

Porém, a maioria dos norte-coreanos tem acesso apenas a um sistema doméstico de intranet e não à rede mundial. Para os habitantes do país, o uso da internet ainda é estritamente regulado e permitido apenas com aprovação prévia. As informações são da Associated Press.

TAGS