PUBLICIDADE
Notícias

Biden discute venda de armas com ativistas e varejistas

15:56 | 10/01/2013
O vice-presidente Joe Biden e o promotor geral Eric Holder estão reunidos nesta quinta-feira com representantes de varejistas como Walmart e com grupos de direitos armamentistas como a Associação Nacional do Rifle (NRA). As reuniões fazem parte do objetivo do governo de reduzir a violência armada. O vice-presidente está liderando os esforços do presidente Barack Obama de combater a violência com armas e espera entregar recomendações ao presidente na próxima semana, contou um participante da reunião com Biden.

Biden vai liderar as discussões com os grupos de esportistas primeiro e depois com grupos de direitos ao uso de armas, incluindo o NRA, e posteriormente com as autoridades da indústria de entretenimento. Holder vai se encontrar em separado com representantes do Walmart, Dick's Sporting Goods e de outros varejistas.

As reuniões ocorrem um dia após Biden e Obama terem considerado ações unilaterais, executivas e de controle de armas, sugerindo que as mudanças nas leis de armamento são prováveis mesmo se o Congresso não agir.

"O presidente vai agir", afirmou Biden na quarta-feira, em encontro com grupos que defendem o uso saudável de armas e sobreviventes de atentados. Biden está liderando os esforços para chegar a propostas que respondam ao tiroteio que atingiu a escola primária em Newton, Connecticut. Autoridades da Casa Branca disseram que nenhuma decisão foi tomada sobre que decisão o governo pode tomar.

O Walmart, o maior vendedor de armas do país, inicialmente informou que não poderia comparecer à reunião na Casa Branca, mas na quarta-feira disse que enviaria um representante. Autoridades da Casa Branca disseram que a varejista foi convidada a comparecer na reunião com Holder e outras varejistas e não com Biden.

São poucos os sinais de que as autoridades e grupos de defesa nos dois lados do debate estão dispostas a alterar seus pontos de vistas, embora exista espaço para acordo em algumas áreas, como as que requerem que o Estado aumente a submissão de registros de problemas de saúde mental ao sistema de checagem usado na triagem de pessoas compradoras de armas de vendedores licenciados no âmbito federal.

Alguns estados estão tentando avançar em suas próprias medidas. O governador de Nova York Andrew Cuomo propôs mudanças amplas nas leis do Estado sobre armas, fazendo de Nova York o primeiro a rever suas regras após o tiroteio em Newton.

O governador de Connecticut Dannel Malloy está tentando aprovar uma lei que proíbe as lojas de venderem armas e munição de grande poder de fogo como a que as autoridades disseram que o atirador Adam Lanza usou no tiroteio em Newton. As informações são da Dow Jones.

TAGS